Casa da Gestante funcionará como expansão da Maternidade

A inauguração acontece na manhã desta quinta-feira

Um de local acolher, orientar, cuida e acompanhar gestantes, puérperas e recém-nascidos de risco que necessitam de observação diária, mas não precisam permanecer no ambiente hospitalar. É assim que funcionará a Casa da Gestante, Bebê e Puérpera (CGBP), que chega em um momento importante pois representará uma expansão da Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER).

A inauguração acontecerá nesta quinta-feira (26) com a presença do governador do Estado, Wellington Dias e do secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa. A solenidade de abertura está programada para iniciar às 7h30.

O secretário de Estado da Saúde, Francisco Costas explica que a Casa da Gestante tem o papel primordial de “proporcionar suporte aos casos de gestantes de um risco intermediário e alto risco, e que, não necessariamente estejam em trabalho de parto, podendo ter um acompanhamento, nessa interlocução mais próxima com a maternidade de referência, servindo ainda de apoio para as mães que estão com crianças internadas na Unidade de Cuidados Intermediários Neonatais ou na UTI Neonatal”.

De acordo com o diretor geral da MDER, médico José Araújo Brito, a chegada da Casa representa muito, não apenas para a para a Instituição, mas também para comunidade que precisa da assistência da Evangelina Rosa. Nela ficarão 20 pessoas, sejam elas gestantes, em cuidados que não precisam de internação hospitalar, ou mulheres que tiveram filhos prematuros internados e que precisam ficar em contatos com seus bebês, bem como, ainda, as que tiverem recém-nascido na Unidade de Terapia Insensível Neonatal (UTIN) ou na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo). “O mais importante da Casa da Gestante é como se fosse a extensão da residência delas que sairão do clima hospitalar que às vezes causa stress e fica nesse local com toda assistência médica adequada com equipe multidisciplinar 24 horas”, destacou.

Além disso, a chegada da Casa da Gestante significará a oferta de 20 leitos hospitalares obstétricos e neonatais da Maternidade, já que pacientes que tiveram o perfil da Casa serão o encaminhadas para o local ofertar mais 20 leitos pra comunidade. “São leitos que estavam sendo ocupados por pessoas que não precisam de cuidados médicos intensivos”, confirma Brito.

Essa será uma estratégia da Rede Cegonha, que, através de uma equipe de profissionais, monitoram as mães ou as gestantes, para dar suporte em um ambiente que é uma interfase entre a residência da paciente e o setor hospitalar, possibilitando assim, uma assistência para as pacientes que não estão no perfil de uma internação, mas, que precisam de monitoramento. A Casa terá visita aberta, com horários ampliados e flexíveis.

A MDER será a responsável técnica e administrativa pela Unidade, ficando encarregada do transporte da gestante, recém-nascido e puérpera para atendimento imediato às intercorrências, de acordo com a necessidade clínica. Além disso, a Maternidade fornecerá todas as refeições e medicamentos necessários às pacientes diariamente.

Funcionamento
Os profissionais que irão atuar na Casa estarão acompanhando as pacientes durante 24 horas, cuidando da mulher e do bebê. Uma equipe multiprofissional dotada de médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos e nutricionistas. O médico realizará uma visita diária, de acordo com o quadro clínico, segundo o plano de cuidados, ou quando solicitada pela equipe de enfermagem e um enfermeiro de segunda à sexta-feira, em regime de 40 horas semanais, e acompanhamento por técnico de enfermagem nas 24 horas do dia durante os sete dias da semana. Os demais profissionais trabalharam de acordo com a demanda.

 “A Casa da Gestante é uma ação que já está em funcionamento na cidade de Floriano e com proposta de implantação para as cidades de Teresina, Parnaíba e Picos, com o objetivo de descentralizar serviços de assistência para pacientes de baixo, médio e alto risco, nos casos em que precisam de uma atenção diferenciada nessa área de assistência ao parto e ao puerpério. Em Teresina, a previsão é que nos próximos 40 dias a Casa da Gestante já tenha condições de iniciar o funcionamento, e até o fim do ano inaugurar na cidade de Parnaíba, Picos e Floriano”, pontua o secretário.

Em Teresina, a Casa irá funcionar na Avenida São Raimundo, nº 818 – Bairro Piçarra, próximo ao Mercado da Piçarra.

Fonte: Portal MN
logomarca do portal meionorte..com