Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros


China anuncia a proibição de escala de aviões dos EUA em Hong Kong

Na última quinta-feira, o presidente americano, Donald Trump, validou dois projetos de apoio ao movimento de protesto em Hong Kong, fazendo com que o governo chinês convocasse o embaixador dos EUA em Pequim, Terry Branstad.

Compartilhe
Google Whatsapp

Nesta segunda-feira (02), a China anunciou que proibiu navios e aeronaves militares dos Estados Unidos de fazer escala em Hong Kong em resposta às leis aprovadas na semana passada por Washington sobre a ex-colônia britânica e acrescentou que aumentará as sanções contra ONGs americanas como a Human Rights Watch (HRW). As informações são do R7.

Durante entrevista coletiva diária do Ministério das Relações Exteriores, a porta-voz Hua Chunying considerou que a validação da chamada "Lei dos Direitos Humanos e Democracia em Hong Kong" pelos EUA, pela qual Washington poderia sancionar autoridades chineses, é uma grave violação do direito internacional".

"Em resposta a isso, decidimos suspender a revisão de qualquer pedido de navios e aviões militares americanos para parar em Hong Kong e aumentar as sanções contra as ONGs americanas que se comportam mal nos distúrbios", disse Hua.

reuters

Além da HRW, as ONGs americanas que serão sancionadas pela China, segundo a porta-voz, são a Fundação Nacional para a Democracia, o Instituto Nacional Democrático de Relações Internacionais, o Instituto Republicano Internacional e a Freedom House.

Hua disse que "muitos fatos e evidências" mostram que essas ONGs "apoiam o movimento anti-China" em Hong Kong e "as incentivam a se envolver em atividades violentas e criminosas e instigam essas atividades separatistas".

A porta-voz disse que a China pediu aos EUA que "corrijam seus erros" e "parem de interferir" nos assuntos internos do país asiático. "A China tomará novas medidas, se necessário, e defenderá a prosperidade e a estabilidade em Hong Kong, bem como a soberania nacional do nosso país", acrescentou. 

Na última quinta-feira, o presidente americano, Donald Trump, validou dois projetos de apoio ao movimento de protesto em Hong Kong, fazendo com que o governo chinês convocasse o embaixador dos EUA em Pequim, Terry Branstad.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se