Cocais Shopping cumpre normas ambientais para funcionamento

Empreendimento foi construído cumprindo com todas as exigências

Localizado na Avenida Piauí, em Timon, no Maranhão, em um ponto estratégico de desenvolvimento na região, o Cocais Shopping, reúne além de charme e conforto, um custo administrativo menor que favorece bons negócios a lojistas e clientes. O empreendimento foi construído cumprindo com todas as exigências ambientais e de engenharia e é um marco para região devido a valorização dada ao o local a partir da chegada do empreendimento.

Maquete do Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)
Maquete do Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)

Obiólogo Francisco de Assis R. Soares, esclarece que o Termo de Compromisso Ambiental (TAC), foi cumprido conforme rege a Legislação e na época da construção animais como cobras, capivaras e outras espécies foram devidamente retirados do local com inspeção e auxílio de biólogos e ambientalistas e remanejados para o mesmo habitat.

Em 2013, durante o período de terraplanagem e aterro do shopping, foi montada uma equipe composta por dois biólogos, um veterinário e um técnico que atuavam em regime de plantão permanente para monitorar, capturar qualquer animal que aparecesse durante as obras. “No período, uma capivara foi capturada e encaminhada para o Zoobotânico e os outros animais menores foram remanejados para o mesmo habitat”, disse.

O técnico esclarece que as capivaras já são conhecidas por circular naquela região e saem do povoado que fica próximo a Ponte Metálica, atravessam as margens do rio Parnaíba, passam por debaixo da ponte, entram na galeria e chegam até a Indústria de Peixe, circulando pela Lagoa do Sambito e adjacências, que fica nas redondezas do Shopping Cocais. “Todas as ruas que ficam ao redor do shopping são caminho das capivaras e essa situação já acontecia muito antes da construção do empreendimento. A população que mora no local conhece e é testemunha dessa realidade”, declarou o chefe de monitoria da equipe técnica.

De acordo com Francisco de Assis, anteriormente da intervenção, já existia a presença desses animais, entrando nos quintais das residências, se alimentando dos restos de comida e circulando pela redondeza. Assis lembra ainda que isso acontece somente no período em que há um aumento no volume das chuvas. “Podemos perceber que em 2014 e 2015 não tivemos essa situação e elas não apareceram porque não choveu como está chovendo esse ano”, acrescentou.

Na época das obras, foi realizado um censo pela equipe e o número de capivaras chegava a 40. Os técnicos ainda cogitaram a ideia de fazer o remanejamento desses animais, mas concluíram que iriam interferir no percurso natural dos bichos. “O que me estranha é o fato de que elas estão passando por cima da avenida, isso nos leva a imaginar que o canal debaixo da terra por onde elas circulam há anos está obstruído. A responsabilidade de garantir a abertura desses canais  por onde as capivaras circulam e integram o habitar natural  é do poder público”, avaliou.

O coordenador de obras Tony Guedes, revela que a partir do momento que é realizado alguma obra ou construção que envolve o meio ambiente, a Legislação determina que seja montado uma equipe técnica para monitoramento dos animais e essa regra foi cumprida dentro dos termos legais. “Ainda em 2013 quando estávamos construindo o shopping, nós tínhamos máquinas trabalhando no local, por isso contratamos essa equipe para não deixar os animais fugirem, capturamos cobras e capivaras, mas esses animais acabaram voltando pelo rio. Isso foi há quatro anos e hoje nem temos mais máquinas no local, não temos como responder pela chegada dessas capivaras”, frisou.

Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)
Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)
Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)
Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)
Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)
Cocais Shopping (Crédito: Arquivo/MN)


Fonte: Waldelúcio Barbosa
logomarca do portal meionorte..com