Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Coordenadora da Unicef vê Casa Meio Norte, do empresário Paulo Guimarães, como modelo de família

"Se trata de uma escola onde há uma aproximação muito grande com a família.",d isse ela

Compartilhe
Google Whatsapp

Pensar em uma educação que derrube os muros da escola em articulação com os vários segmentos da sociedade civil e poder público, sem perder de vista o processo de formação dos estudantes, é um desafio que está na pauta dos educadores brasileiros.

O Seminário Nacional de Educação Integrada: Experiêcias que transformam reuniu educadores e ?ongueiros? de diversas partes do país nesta sexta-feira, em São Paulo. O evento é uma organização da Fundação Itaú Social em parceria com a Unicef (Fundo das Nações Unidas pela Infância). A iniciativa faz parte do Prêmio Itaú Unicef, que visa também promover formação.

?Ampliar as oportunidades de aprendizagens a partir de metodologias criativas?, é assim que a educação integral vem trilhando caminhos no Brasil, sendo ainda um caminhar desafiador quando se trata de uma educação que tem atrasos históricos.

Para o vice-presidente da Fundação Itaú Social, Antônio Matias, este momento é importante para a educação brasileira. Matias lembra que em 1995 nasceu o Itaú Unicef com o objetivo de mobilizar atividades complementares na escola. ?Hoje avançamos e já falamos em educação integral, porque é importante ir além do tempo na escola, é preciso integrar espaços e saber de forma mais profunda?, diz.

Para Alice Setúbal, presidente do Cenpec(Centro de Estudos e Pesquisas em Educação Cultura e Ação Comunitária), é preciso pensar em uma escola aberta onde as organizações sociais tenham um diálogo aberto criando conhecimento da escola integrado à comunidade.

Para isto Setúbal lança o desafio de pensar a educação em cinco dimensões: Letramento, para que as crianças possam ter na leitura e na escrita também uma apreensão do mundo; cidadania; esportes; meio ambiente e a educomunicação para chamar atenção da juventude através dos meios de comunicação.

Coordenadora da Unicef vê Casa Meio Norte como modelo de família

Quando se fala de educação integrada é preciso se compreender que isto deve estar articulado à vida do estudante, ou seja, não se trata de retirar a criança de sua vivência para ir à escola, mas de compreender que a escola é mais uma dimensão da vida do estudante.

?Trata-se de uma integração em tempo, espaço e saberes?, diz a coordenadora de Educação da Unicef, Maria Salete Silva. Para Salete esta compreensão também deve partir da família, não no sentido do que comumentemente acontece, ?a escola culpa a família e a família culpa a escola?, mas é uma via de mão dupla.

Na ocasião Salete conta que a Escola Casa Meio Norte é uma escola modelo, que foi selecionada ainda quando saiu o resultado da primeira prova Brasil em 2006. Na época foram selecionadas 34 escolas de todo o Brasil.

?A Casa Meio Norte é uma escola modelo, pois se trata de uma escola onde há uma aproximação muito grande com a família. Quando pensamos em Escola Integral é preciso que esta tenha sentido na comunidade e cause pertencimento?, diz Salete. (S.F.)

Os desafios também passam pela garantia da Escola Pública

Muito se fala que o Brasil deve seguir os exemplos da Europa e dos Estados Unidos, pois se tratam de lugares onde existe educação Integral, no entanto, esta discussão também passa pela necessidade de compreender a educação brasileira e os desafios que ela traz.

Para Antônio Matias, apesar de ser um grande desafio, quando se pensa na educação brasileira, é preciso acreditar que é possível mudar. ?O país deve despertar para uma maior valorização do professor, aproximação das escolas com as universidades, aumentar a responsabilidade com o sistema educacional, melhorar a gestão. Também é importante articular as experiências de ONG?s que acontecem de forma independente para dentro da escola?, explica.

Aqui os desafios apontados são desde a formação dos professores, Salete conta que esta formação do professor deve ser articulada à perspectiva da escola integral, no entanto, a coordenadora aponta que há uma defasagem grande na formação dos educadores.

?Os nossos esforços não são para lançar uma alternativa às escolas públicas, pelo contrário, tanto é que nossa mobilização no Prêmio Itáu Unicef tem sido de articular as ONG?s às escolas. Portanto, este esforço também é pela melhoria da escola pública.

Retomar às ruas e derrubar o muro das escolas

?Quando falamos em educação integral é preciso entender que este muro que separa a escola da comunidade deve cair, mesmo que simbolicamente?, diz Maria Salete. (S.F.)

Avançar para chegar no segundo ciclo da educação

A educação integrada passa a ser pensada como uma política pública de forma mais forte com a criação do Programa Mais Educação do Ministério da Educação e Cultura (MEC). No entanto, boa parte das experiências acontece de forma independente e articulada a ongs, principalmente no primeiro ciclo da educação, de 1ª a 5ª série.

Os desafios para se chegar ao Ensino Médio são muitos e esse ainda é um caminho a ser trilhado. Para Mário Volpi, coordenador do Programa Cidadania dos Adolescentes, da Unicef, este é um grande problema, haja vista que 50% de pessoas entre 15 e 17 anos está no Ensino Médio, por exemplo. A outra metade desta população ou é repetente ou saiu da escola.

Isto impõe um problema que forma salas de aulas mistas, com adolescentes e adultos, o que causa uma certa crise de identidade. Hoje, boa parte dos esforços por parte do Governo tem se centrado na construção de um Ensino Médio aliado ao Ensino Profissionalizante e Técnico, para atender uma juventude que além de estudante é trabalhadora.

Hoje, cerca de 600 mil jovens são chefes de família, o que tem imposto a essa juventude duros desafios, o que muitas vezes a retira de sala de aula. Porém, para Mário Volpi, apesar de ter uma necessidade de preparar a juventude para o trabalho, é preciso ter cautela quanto a esta perspectiva no Ensino Médio.

"O Ensino Médio é espaço de aprendizagem e não espaço para resolver problemas de renda familiar. Também é preciso pensar que o mundo do trabalho é mais amplo que o do mercado. Onde fica a dimensão do trabalho da arte, da pesquisa livre e da cultura, por exemplo?" Indaga Mário Volpi fazendo refletir sobre o tecnicismo que vigora em boa parte do país.

Mário completa dizendo que o ensino médio deve ser um espaço onde se permita a realização das competências, bem como um espaço que prepare o estudante para ocupar seu espaço na sociedade. (S.F.)


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×