Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Cozinheiro apresenta insetos como opção de alimento em Teresina

Ele ministrou palestra na Embrapa sobre o assunto

Compartilhe
Google Whatsapp

Hábito muito comum em mais de 120 países, a alimentação à base de insetos é uma promessa de implantação no Brasil. Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), dentro de alguns anos, a maioria da população mundial vai comer insetos. No entanto, isso já é bem presente, tendo em vista que dois bilhões de pessoas em culturas da África, Ásia e América Latina, quase um terço da população mundial, já os consomem.

E para explicar essa tendência no Brasil, o biólogo, bugs cook (cozinheiro de insetos) e presidente da Associação Brasileira de Criadores de Insetos (ABCI), Casé Oliveira, apresentou, na quinta-feira (22), no auditório central da Embrapa Meio-Norte, em Teresina, palestra sobre insetos alimentícios.

José Alves Filho

Eles se reproduzem, crescem, existem em grande quantidade e podem servir para a elaboração de deliciosos pratos. A FAO orienta as pessoas a consumirem em suas refeições os insetos. Segundo a instituição, além de nutritivos, essas miudezas podem ajudar o planeta a diminuir os efeitos das atividades agropecuárias no mundo, tendo em vista as profundas agressões que o setor de carne produz e também podem ajudar no combate à fome.

O profissional abordou o assunto de forma bem didática, unindo seus conhecimentos sobre os insetos e sua paixão pela cozinha. Atento às condições e capacidades que o planeta tem de consumir alimentos, ele informou que pelo menos 2.000 insetos são comestíveis no ramo dos bugs cooks. O biólogo também apresentou alimentos como sal de grilo, chocogrilo, pirulitos com escorpiões e até farinha de larvas.

José Alves Filho

Em muitos países, as pessoas consomem insetos de forma totalmente comum, como o consumo de carne bovina no Brasil, por exemplo. O primeiro maior consumidor de insetos é o México, que possui a maior quantidade de espécies comestíveis catalogadas, são em torno de 368; em segundo lugar estão os países do continente africano e o terceiro os Estados Unidos da América. No Brasil, a farofa da tanajura é bem popular, em Recife. 

O cozinheiro serviu durante sua palestra uma brusqueta de besouro na fase jovem. Campeão em propriedades, com até 48% de proteína, a iguaria também é utilizada no auxílio do tratamento de alzheimer. Além dele, também foi servida uma brusqueta de grilo. “No Brasil tem um grande mercado disso, já existe a Associação Brasileira de Criadores de Insetos e vamos ter o I Congresso Insetec 2019 em Montes Claros, Minas Gerais. Você já encontra insetos comestíveis em supermercados de São Paulo e chocolates já estão  inseridos como forma de complemento", falou.

Iguarias podem ajudar no combate à fome

Casé explica que hoje não existe uma lei que proíba o consumo de insetos e se não há lei, não tem penalidade. "A Anvisa, através dos seus órgãos, diz que qualquer gastrônomo pode fazer e comprar de uma biofábrica, com nota fiscal e utilizar toda a técnica e práticas de manipulação. Nessa prática ele é amplamente liberado, tanto  que existem festivais de formigas tanajura no Brasil”, informou Casé.

Com relação ao consumo de insetos no combate à fome, Casé explica “A questão  da fome é muito complexa. Se a população passasse a consumir mais insetos iria ajudar a contribuir, mas a questão da fome envolve alimentos maiores, tem alimento para todo mundo, mas existe uma taxa de desperdício muito grande. Eu acredito que eles vão contribuir muito no combate à fome”, conta. 

José Alves Filho

Ele apresentou, durante a palestra, três cenários solicitados pela Universidade Stanford, nos Estados Unidos, de como os insetos possuem mais proteína e menos desperdício. Eles têm 80% de aproveitamento e os bovinos apenas 40%. Além desse fator, eles também necessitam de menos ração. “Se de repente todo mundo parasse e ajudasse diminuindo o consumo de carne bovina, iria melhorar”, disse Casé.

Adriana Galvão, professora de Artes da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e criadora da Tecnologia em Desidratação Solar de Alimentos, não perdeu tempo e provou de cada alimento apresentado. “A princípio a gente sempre tem um estranhamento, mas conforme ele foi nos mostrando e falando todos os aspectos, no nível proteico e a parte da gastronomia, eu fui me apaixonando”, falou.

Provando a brusqueta de grilo, ela não poupou elogios. “Imaginei que estava comendo um camarão delicioso e as larvas têm um sabor defumado muito interessante. Eu acho que posso introduzir isso na alimentação e também acredito que podemos estudar isso dentro da universidade, dentro do mercado alimentício para nós que consumimos carne”, expressa.



Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se