A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado Federal aprovou, segunda-feira, o relatório final sobre o acidente aéreo da Chapecoense.Ocorrido foi em 2016. O texto, de autoria do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) e aprovado por unanimidade, faz sete recomendações.

Entre elas, contra indenização de vítimas e familiares. Sem deixar de responsabilizar de cinco empresas envolvidas em uma possível fraude na emissão da apólice de seguro contratada pela companhia aérea boliviana Lâmia.

CPI recomenda pagamento de indenização a familiares dos jogadores mortos - Divulgação / Chapecoense CPI recomenda pagamento de indenização a familiares dos jogadores mortos - Divulgação / Chapecoense 

Apólice de seguro

Além da LaMia, as empresas citadas são a seguradora Bisa Seguros, a resseguradora Tokio Marine e as corretoras Aon UK e Grupo Estratégica (antiga Aon Bolívia), todas envolvidas em possível fraude na emissão da apólice de seguro.

Em 29 de novembro de 2016, o voo da empresa LaMia, que levava o time de futebol da Chapecoense para Medellín, na Colômbia, onde seria realizada a final da Copa Sul-Americana, caiu próximo à cidade após partir de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia.

Segundo relatório do Grupo Colombiano de Investigação de Acidentes Aéreos, a principal causa foi a falta de combustível. O desastre teve 71 vítimas fatais, sendo 64 brasileiros, incluindo jogadores, integrantes da comissão técnica, dirigentes, jornalistas esportivos e alguns convidados.