Crianças internadas no HUT produzem brinquedos reciclados

Atividade minimiza o desconforto da internação

Produzir brinquedos a partir de materiais recicláveis não parece ser uma atividade própria para o ambiente hospitalar. Mas é exatamente isso que tem sido feito na Clínica Pediátrica do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) para tentar minimizar o desconforto de uma internação e levar um pouco de alegria para as crianças e seus familiares.

  

Os cursos de fabricação de brinquedos são realizados na brinquedoteca do hospital. No caso das crianças que não podem sair do leito, os produtos são levados para as enfermarias. “O envolvimento delas nesse projeto é o que mantém a alegria e disposição, mesmo nos dias mais difíceis, e tem contribuído muito para que elas consigam tirar o foco da doença e assim aceitarem melhor o tratamento”, ressalta Manoela Coutinho, enfermeira e gerente de enfermagem da Clínica Pediátrica.
  

A proposta de realizar oficinas de confecção de brinquedos é da técnica de enfermagem Rose Felippe, que denominou seu projeto com a palavra Esperança. “Foi uma forma de ocupar o tempo ocioso durante a internação das crianças e seus acompanhantes”, explica. 

 (Crédito: Ascom HUT)
(Crédito: Ascom HUT)

Ela conta que já conta com a colaboração de muitas pessoas que freqüentam o hospital. Algumas juntam materiais recicláveis em casa e trazem para as oficinas. Também já aconteceu muito de uma acompanhante trocar experiência com o grupo, ensinando como fabricar tapetes com retalhos de tecidos. “As oficinas são uma oportunidade para que as crianças se distraiam e para que os acompanhantes aprendam coisas novas e ainda possam incrementar a renda da família”. 

Além da oficina de bonecos, também já foram oferecidos cursos de confecção de boneca de pano, tapetes, guardanapos de crochê, casinhas de boneca feitas de papelão, palhaços feitos com garrafinhas de iogurtes e tampinhas de garrafas e roupinhas de bonecas. “Toda a produção é doada”, informa Rose.

Para a enfermeira, o projeto é muito importante dentro do hospital. “Quando iniciei pensei que iria ensinar muitas coisas novas para as crianças e seus acompanhantes. Porém, descobri ao longo do tempo que estou aprendendo muito mais e isso pra mim é muito gratificante. É uma troca de experiência fantástica que ocupa o tempo das crianças e quebra a rotina do hospital”, destacou.

Quem não perde um curso oferecido no hospital é Maria José de Sousa, que acompanha a filha Alicia Sofia, de apenas 3 anos e 7 meses. A filha nasceu com duas doenças graves e já está internada há quase três anos. “Já aprendi a fazer muitas coisas. Hoje consigo melhorar minha renda fabricando tapetes de barbantes para vender. Esses cursos são bons para ocupar nosso tempo e nos dar oportunidade de aprender coisas novas”, diz.

Para o diretor geral do HUT, Gilberto Albuquerque,  é importante trabalhar a humanização no atendimento. Segundo ele, o Hospital está sempre desenvolvendo projetos que permitem estreitar ainda mais os laços entre família e paciente, aumentando a confiança entre paciente e profissional de saúde. “Temos projetos que mexem com a rotina do hospital todo. Isso faz com que nossos pacientes esqueçam por alguns momentos que estão internados e passam a colaborar com os profissionais de saúde, acelerando assim o processo de recuperação”, argumenta.

Fonte: Ascom PMT
logomarca do portal meionorte..com