mais
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Crise: população fluminense volta a usar lenha para cozinhar

Famílias com pouca renda estão passando por dificuldades para comprar o básico. Nas favelas e regiões mais pobres do Rio, muita gente está vivendo em situação de extrema precariedade.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Estado do Rio mais que dobrou entre 2012 e 2020 e o número de desempregados já chega a 1,5 milhão de fluminenses.

A crise financeira provocada pela pandemia da Covid-19 piorou a vida das famílias que já viviam sob condições de vulnerabilidade. E algumas famílias tiveram que voltar a usar a lenha na hora de cozinhar.

Famílias voltam a ausar a lenha para cozinhar (Foto: Rede Globo)Famílias voltam a ausar a lenha para cozinhar (Foto: Rede Globo)

Com três filhos e desempregada, Marcelle Cristina Lopes vive atualmente com cerca de R$ 300 por mês. Segundo ela, o dinheiro não dá pra quase nada.

"É muito difícil. Às vezes é criança chorando, querendo as coisas e não ter é difícil. A minha pequenininha pede, você fala que não, e a criança não entende. Eu fiquei três meses sem gás. Quando acaba, a gente procura fazer na lenha. Pega tijolo, madeira e faz um improvisado na lenha. Mas, quando tá chovendo, complica", disse Marcelle.

Além disso, famílias com pouca renda estão passando por dificuldades para comprar o básico. Nas favelas e regiões mais pobres do Rio, muita gente está vivendo em situação de extrema precariedade.

Para o casal Genilson Pereira e Maria Cristina de Azevedo, a rotina de cozinhar a lenha já dura 15 dias. “Há duas semanas eu construí [o fogão a lenha]. Acabou o gás e não tinha como comprar porque o gás estava muito caro. Improvisamos esse fogão de lenha na chuva, mas improvisamos ele", contou Maria Cristina.

O marido, que trabalha como auxiliar de serviços gerais, disse que a alimentação da família também mudou. "A gente compra pé de galinha, a gente compra ovo e pescoço, que é mais barato. Então, essas coisas assim que são mais baratas. Mais em conta no mercado", disse Genilson.

Fugindo da fome

O venezuelano Javier está no Brasil há três anos. Ele fugiu do seu país para tentar se livrar da fome, mas a realidade não mudou em sua nova casa.

"Todo dia não (dá pra comer). Às vezes, tem pessoas que dão ajuda e às vezes, não", contou Javier. Já Rosangela, que é brasileira, conta que a pandemia deixou tudo mais difícil. "Eu trabalhava em casa de família. Cada dia eu fazia faxina numa casa. Aí começou essa doença e não posso mais", contou Rosangela.

Ela disse ainda que não recebeu nenhum auxílio do governo durante a pandemia. "Vivo de uma ajuda de um, de outro. (O auxílio) ajudaria comprar remédio, pagar luz, água que não to pagando. Ajudaria muito", completou.

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail