Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Damares abandona reunião na ONU em ato contra Venezuela

Ministra deixou sala quando representante de Maduro começou a falar

Compartilhe
Google Whatsapp
Siga-nos

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, abandonou a sala da reunião do Conselho dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), em Genebra, na Suíça, em forma de protesto contra o governo da Venezuela de Nicolás Maduro.

Damares deixou a reunião assim que o representante da Venezuela, Jorge Arreaza, começou a falar, nesta terça-feira. Representantes do Itamaraty que acompanhavam a ministra também deixaram a reunião.

Ato da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos aconteceu durante Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, na Suíça. Damares abandonou local assim que chanceler venezuelano começou a discursar


Ato da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos aconteceu durante Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, na Suíça. Damares abandonou local assim que chanceler venezuelano começou a discursar

A ministra planejou o protesto. Ela entrou na sala apenas minutos antes do início do discurso Arreaza e abandonou o local assim que o representante venezuelano começou a falar. O protesto da ministra foi filmado por sua assessoria de imprensa.

Na segunda-feira, Damares falou sobre a Venezuela em discurso na reunião da ONU. Ela disse que o Brasil atendeu a mais de um milhão de cidadãos daquele país que buscavam refúgio em razão da crise humanitária.

— Estamos particularmente preocupados com as centenas de crianças que chegam desacompanhadas ao Brasil. Elas precisam de uma perspectiva de vida livre e saudável, algo que lhes foi violentamente retirado pelo regime ilegítimo e autoritário de Nicolás Maduro. Reitero, com tristeza, nossa preocupação com as persistentes e sérias violações de direitos humanos cometidas na Venezuela — disse a ministra.



Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Siga-nos

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar