Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Dançar é ótimo para aliviar os sintomas da endometriose

Dor atinge 90% das mulheres com o diagnóstico

Compartilhe

Dor pélvica crônica, baixa autoestima, infertilidade, ansiedade e estresse. Estes são apenas alguns dos sintomas e condições ligados à endometriose, doença crônica, que afeta 1 em cada 10 mulheres em idade fértil.

Segundo pesquisa realizada pelo ginecologista Dr. Edvaldo Cavalcante, em parceria com o Grupo de Apoio às Portadoras de Endometriose e Infertilidade (Gapendi), cerca de 90% das mulheres com o diagnóstico de endometriose sentem dor, em algum momento durante o mês.

Mais da metade das 3 mil entrevistadas relatam estresse, ansiedade e 34% receberam diagnóstico de depressão. De acordo com Dr. Edvaldo, por ser uma doença crônica, a endometriose exige que a mulher adote uma série de estratégias que possam contribuir para melhorar a qualidade de vida e que a ajudem a lidar de uma forma mais positiva com a condição.

\"
(Crédito: Shutterstock)


Dança: uma estratégia de enfrentamento

De acordo com a psicóloga Fátima Bortoletti, a dança é uma das melhores atividades físicas para quem sofre com a endometriose. “Dançar conecta o corpo, as emoções e o cérebro. Isso porque a dança envolve a música, que ativa uma série de conexões neurais. Essas, por sua vez, fazem conexão com a parte motora do corpo. Todo esse processo estimula a liberação de hormônios, como a dopamina e a ocitocina, que geram sensação de prazer e bem-estar”, explica Fátima.

“O que nem todo mundo sabe é que os hormônios que a dança ajuda a liberar são mais fortes do que àqueles ligados ao mecanismo da dor. Como a dor é uma queixa muito prevalente nas mulheres com endometriose, dançar ajudar a aliviar este sintoma, além de contribuir para a redução da ansiedade e do estresse”, ressalta a psicóloga.

\"


Autoestima e interação social ajudam pacientes

Como a pesquisa mostrou, a autoestima é o aspecto mais afetado pela endometriose. Além disso, 84% das mulheres entrevistadas citaram que deixam de realizar uma série de atividades por conta da doença, como por exemplo, sair com os amigos ou com o parceiro.

“A dança, além de todos os benefícios já citados, também é uma atividade que promove a interação social. Muitas mulheres acabam se isolando socialmente, como mostrou a pesquisa. Este isolamento pode piorar os sintomas depressivos ou ansiosos. Portanto, dançar pode ser uma ótima estratégia para lidar com a endometriose de uma forma mais positiva”, reforça Fátima.

Segundo a psicóloga, a mulher deve procurar o estilo de dança quem mais combina com seu perfil. “A dança de salão é ótima, porque promove a interação social. Mas o que importa mesmo é dançar, seja na sala de casa, em uma casa noturna ou em uma academia”.

Outros recursos. Entretanto, a dança é apenas um dos recursos que podem melhorar a qualidade de vida da mulher com o diagnóstico da endometriose. “A dança é excelente, mas é importante que a mulher também pratique a meditação terapêutica em conjunto com a dança, além de outras intervenções”, cita Fátima.

\"
(Crédito: Istock)


Outro ponto importante é que mulheres com endometriose podem procurar profissionais especialistas em psiconeuroendocrinoimunologia, uma ciência interdisciplinar que estuda a ligação entre a mente, o comportamento e os sistemas imunológico e endócrino.

“Os pensamentos e as emoções afetam a resposta imunológica do corpo, o que impacta na saúde física. Para lidar com doenças crônicas é preciso prestar muita atenção às emoções e atitudes, pois elas afetam toda a bioquímica do organismo. Para a endometriose isso é fundamental, já que é uma doença ligada tanto aos hormônios, quanto ao sistema imunológico. Assim, todos recursos que melhoram ou equilibram essa bioquímica são benéficos para mulheres com endometriose”, finaliza Fátima.


Conheça a endometriose e seus sintomas

A endometriose é uma doença complicada que afeta cerca de 10% de pessoas com útero e em idade fértil. É daquelas doenças que muitas vezes há demora no diagnóstico, em que são feitos tratamentos ineficazes e a falta de informação complicam a vida de quem tem a condição.

Outro ponto importante é que a doença tem impacto socioeconômico e na qualidade de vida da mulher, sendo gastos no Brasil em torno de 10,4 milhões reais por ano com a doença .

\"\"


Tendo você um útero ou não, é importante conhecer mais sobre a doença, que tem impacto sobre a fertilidade. Preparamos algumas perguntas-e-respostas que podem ajudar a esclarecer o tema.

A cólica é apenas um dos sintomas da endometriose, embora que algumas pessoas não tenham qualquer dor, muitas mulheres com endometriose tem cólicas intensas antes, durante e depois da menstruação. A endometriose é uma condição em que um tecido parecido com o endométrio (camada de revestimento interno do útero), é encontrado fora do útero. Esse tecido “deslocado” induz uma resposta inflamatória que pode resultar em dores intensas e cicatrizes. Além das cólicas, a endometriose pode causar dor para urinar, dor pélvica crônica, dor nas costas, nas pernas e nos ombros. Em alguns casos, a dor pode ser tão intensa que impede as atividades diárias como sentar e caminhar.

\"\"


A endometriose é umas das doenças ginecológicas das mais comuns, afetando aproximadamente 176 milhões de pessoas no mundo. Como algumas pessoas não apresentam sintomas, o diagnóstico pode ser complexo, sendo necessário cirurgia para confirmação. Outras pessoas podem ter sintomas por anos e visitar vários médicos antes de serem diagnosticadas .


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar