Depois do Irma, furacão Maria provoca nova destruição no Caribe

O fenômeno pode se tornar ainda mais destrutivo

Depois de ser atingido pelo Irma, furacão Maria varreu a pequena ilha de Dominica, na parte leste do Caribe, na noite desta segunda-feira (18), como um fenômeno de categoria 5 - a mais alta na escala e que indica ventos com velocidade superior a 249 quilômetros por hora. Outras localidades afetadas recentemente pelo furacão Irma - como Porto Rico, Ilhas Virgens Britânicas, São Martinho e Antígua e Barbuda - podem também ser atingidas pelo Maria.

Dominica, uma antiga colônia francesa com pouco mais de 70 mil habitantes, sofreu com ventos catastróficos e chuvas torrenciais durante horas, o que provocou inundações e o destelhamento de casas.

Maria, uma tempestade "extremamente perigosa", voltou à categoria 5, a mais elevada na escala de intensidade, ao passar cerca de 325 quilômetros a sudeste de St. Croix, nas Ilhas Virgens, com ventos constantes de 260 km/h, de acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC).

O inspetor de polícia Pellam Jno Baptiste disse na noite de segunda-feira que ainda não havia relatos oficiais de danos provocados pelo Maria, mas que ainda era impossível, por causa das condições climáticas, verificar os estragos pessoalmente. "Onde estamos, não podemos sair", disse Baptiste, em rápida entrevista telefônica.

Furacão Maria ganha força e já atinge parte do Caribe  (Crédito: AFP)
Furacão Maria ganha força e já atinge parte do Caribe (Crédito: AFP)

O primeiro-ministro de Dominica, Roosevelt Skerrit, relatou a chegada do furacão em tempo real. "Os ventos são inclementes!", escreveu no Facebook. Pouco depois, ele afirmou que o telhado de sua casa havia sido arrancado e que "estava completamente à mercê do furacão". Após alguns minutos, Skerrit relatou ter sido resgatado, sem dar detalhes.

Autoridades em Guadalupe, uma possessão francesa onde vivem 400 mil pessoas, advertiram que o furacão Maria poderá provocar inundações catastróficas. Na também francesa Martinica (385 mil habitantes), as pessoas foram orientadas a procurar abrigo e a se preparar para cortes de energia e do abastecimento de água.

Em Porto Rico, populações que moram em imóveis precários foram orientadas a deixar suas casas. "Vocês têm de evacuar. Ou vão morrer", disse o responsável pela segurança pública da ilha - um Estado associado dos Estados Unidos onde moram 3,4 milhões de pessoas.

Segundo os órgãos que fazem o acompanhamento do furacão, o fenômeno pode se tornar ainda mais destrutivo nas próximas horas.

Se Maria mantiver sua força, será o furacão mais intenso a atingir Porto Rico em 85 anos, depois que uma tempestade de categoria 4 varreu o território norte-americano em 1932, disse Dennis Feltgen, porta-voz do NHC. O último grande furacão a assolar Porto Rico diretamente foi o Georges, que chegou à ilha como uma tempestade de categoria 3 em 1998, disse ele.

O aeroporto de San Juan, em Porto Rico, deve fechar na noite desta terça-feira (19) antes da passagem do furacão Maria, segundo a imprensa local.  Na Martinica, não há registro de grandes danos provocados por Maria. 50 mil casas estão sem energia elétrica, e 10 mil, sem abastecimento de água.

 Destruição causada pelo furacão Irma na ilha de St. Martin, no Caribe  (Crédito: Reuters)
Destruição causada pelo furacão Irma na ilha de St. Martin, no Caribe (Crédito: Reuters)


Fonte: Com informações do OGlobo
logomarca do portal meionorte..com