Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Maradona: Falecimento e a luta contra doenças e dependência química

Astro foi internado várias vezes por problemas cardíacos, gastrointestinais, respiratórios e renais, entre outros.

Compartilhe

O astro argentino Diego Armando Maradona morreu, segundo o jornal Clarín. O jogador de futebol se recuperava Buenos Aires de uma operação de um edema cerebral e um quadro de abstinência.

Diego Armando Maradona, faleceu nesta-quarta feira (25), deixando chocado não só o universo do esporte, mas o mundo em geral. Maradona foi hospitalizado com anemia e foi operado de um hematoma subdural, segundo seu médico Leopoldo Luque.

Antes de sua intervenção cirúrgica e ainda hospitalizado, Diego recebeu mensagens de torcedores e de diferentes organizações e clubes de futebol como a Federação Argentina de Futebol (AFA), Boca Juniors e Gimnasia y Esgrima La Plata, que publicaram imagens nas redes sociais do ex-técnico argentino e lhe enviaram saudações com a hashtag #FuerzaDiego.

Diego Maradona: Falecimento e a luta com doenças e dependência química

Histórico de saúde

Enquanto era jogador de futebol, Diego Maradona sofreu de hepatite A, uma fratura no tornozelo esquerdo e várias lesões típicas da atividade. Já aposentado, que era treinador, foi internado várias vezes por problemas cardíacos, gastrointestinais, respiratórios e renais, entre outros.

Dependência química

Maradona disse que começou a usar drogas aos 24 anos. "Foi o maior erro da minha vida", disse ele. Em 1991, quando jogou pelo Napoli, e em 1994, quando jogou pela Argentina na Copa do Mundo dos Estados Unidos, deu positivo nos controles antidoping. O primeiro para a cocaína e o segundo para a efedrina.

Em 1996, ele entrou na Suíça para se reabilitar do vício em cocaína. O campeão mundial de 1986 com a Argentina no México revelou que parou de usar em 2004, a pedido de sua filha Dalma. 

26 de abril de 1991: a polícia de Buenos Aires prende Maradona por uso de cocaína. 

Problemas cardíacos

Em 1997 foi internado no Chile devido a problemas de pressão arterial. Em 2000, ele sofreu uma crise hipertensiva e uma arritmia ventricular no Uruguai. “Ele parava de respirar por cinco ou seis segundos. Estava gravemente doente. Estava morrendo. Se não o admitíssemos, ele morreria em poucas horas. Diego estava morrendo e ninguém entendia realmente o que estava acontecendo”, disse Jorge Romero, o médico que o tratou. Depois deste caso, ele decidiu ir a Cuba para se reabilitar.

Em 2004, ele foi hospitalizado em estado crítico por onze dias em um hospital em Buenos Aires devido a uma crise cardíaca e pulmonar causada pelo uso de cocaína. Os laudos médicos falavam de uma "pneumonia por aspiração de vômito" e de uma "crise hipertensiva em quadro de cardiomiopatia dilatada". O prognóstico era "reservado" e sua condição era "grave".

Excesso de peso

Em 2005 foi realizado um bypass gástrico na Colômbia e em 2015 outro na Venezuela. Depois do primeiro, ele perdeu 35 quilos depois de um ano e depois do segundo, 25.

Maradona antes e depois de cirurgia

Hepatite aguda

 Em 2007 foi internado na Argentina por "hepatite aguda" agravada pelo consumo de álcool.

Reconstrução do lábio superior

Em 2010, um cachorro mordeu seu rosto e teve que passar por uma cirurgia reconstrutiva no lábio superior.

Cálculos renais

Em 2012, quando dirigia o Al Wasl, nos Emirados Árabes Unidos, fez uma cirurgia de cálculo renal. 

Diego Maradona precisou de atendimento médico após partida da Argentina na Copa

Descompensação e pressão arterial baixa 

No meio da Copa do Mundo de 2018 na Rússia, Maradona sofreu uma descompensação e sua pressão arterial caiu enquanto assistia à vitória da Argentina sobre a Nigéria por 1-2 no estádio no terceiro dia da fase de grupos.

Operação no joelho direito

Em 2019, ele foi submetido a uma cirurgia na Argentina por sofrer de osteoartrite severa no joelho direito que o impedia de andar normalmente.

Diego Maradona em hospital após cirurgia no joelho

Insônia, ansiolíticos e problemas com álcool

Em julho deste ano um de seus médicos, Leopoldo Luque, disse que Maradona sofria de insônia e que às vezes “fica dias sem dormir. Ele tinha patologias de insônia: não consegue dormir à noite e tem sono durante o dia. Isso muda você. O humor e dificulta a fala, algo pelo qual ele foi muito criticado. Estamos modificando seus ansiolíticos. Não é algo que se resolve ", disse Luque.

O médico afirmou ainda que 'Pelusa' está completamente “limpo de cocaína”, mas que “às vezes tem excesso de álcool”. Além disso, ele revelou que vinha tomando "alguns ansiolíticos prescritos há bastante tempo. São tratamentos que continuamos porque alguns medicamentos não podem ser retirados assim. O corpo desenvolve tolerância e retirá-los drasticamente pode causar problemas", disse ele.

Hematoma subdural

Na segunda-feira (23), Maradona havia sido internado por estar anêmico, desidratado e com "baixo-astral". Na terça-feira, um hematoma subdural foi descoberto e ele foi transferido para outro hospital para cirurgi


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar