Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Dificuldades na escola: quando procurar um otorrino?

Especialista aponta como observar nas crianças problemas relacionados aos ouvidos, nariz e garganta

Compartilhe
Google Whatsapp

Em período de volta às aulas, crianças e adolescentes se preparam para um novo ano letivo. Ao longo dos meses, qualquer dificuldade no aprendizado deve ser observada de perto e pesquisada pelos pais ou responsáveis. Entre os diversos fatores de baixo desempenho, podem estar dificuldade em ouvir e até mesmo má qualidade do sono.

“A ida a um otorrinolaringologista é importante para identificar problemas relacionados à especialidade, que incluem audição e fala, sentidos importantes para o processo de aprendizado, caso ainda não tenha sido identificada alguma alteração”, afirma a Dra. Renata Garrafa, otorrinopediatra.

Abaixo, seguem as principais características que podem estar prejudicando a aprendizagem da criança:

Ronco e sono descontínuo ou agitado – dormir bem é muito importante para o desenvolvimento da criança, pois é nesse período que os aprendizados são consolidados. “O ronco e o sono agitado podem ser causados por obstruções das vias aéreas superiores, as quais podem provocar pausas respiratórias (apneias). Na presença de apneias, o sono é superficializado, ou ocorre um microdespertar, prejudicando assim a qualidade do sono”, afirma a especialista. Além disso, dormir mal altera a produção do hormônio do crescimento, essencial para o bom desenvolvimento do jovem.

Dificuldades na fala e dicção – o desenvolvimento da fala é um dos pilares no processo de alfabetização e uma das principais formas de interação com o mundo. “A criança começa a falar as primeiras palavras a partir dos 12 meses. Aos dois anos, espera-se que fale frases curtas juntando duas palavras e, aos três anos, a fala deve ser inteligível. Claro que cada um tem seu próprio processo de desenvolvimento, mas qualquer situação fora do padrão deve ser investigada”, explica a doutora;

Dificuldade para ouvir ou surdez – problemas na audição podem dificultar, e muito, o processo de aprendizagem, caso não seja identificada e tratada logo. Ainda na maternidade, os recém-nascidos passam pelo Teste da Orelhinha, em que é possível descobrir desde cedo possíveis disfunções. Mesmo assim, se a família perceber, ao longo do passar do tempo, que a criança não vira o rosto quando é chamada, ou fala alto e demora para responder, é preciso procurar um médico o quanto antes;

Desordem do Processamento Auditivo Central – este distúrbio gera dificuldade de interpretação das informações sonoras, mesmo com o sistema auditivo preservado devido a um prejuízo da condução da informação até o cérebro. Assim, a pessoa ouve os sons, mas tem dificuldades em interpretar a mensagem recebida. “Alguns dos sintomas podem ser observados quando a criança tem dificuldade para aprender a ler e escrever, demora para compreender ou executar uma atividade proposta e se distrai com facilidade. Um otorrinopediatra pode identificar o transtorno e indicar o melhor tratamento”, finaliza a Dr. Renata Garafa.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar