Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Doleiro revela empréstimo de US$ 13 mi a ex-presidente do Paraguai

O doleiro teve a delação premiada homologada e renunciou a R$ 1 bilhão de seu patrimônio, o que transformou seu acordo com o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) o maior da Justiça brasileira.

Compartilhe

Em depoimentos prestados no âmbito de sua delação premiada, o doleiro Dario Messer contou detalhes sobre sua relação com o ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes, a quem conheceu na década de 1980. Messer afirmou que sua família emprestou US$ 13 milhões a Cartes durante uma crise financeira para que ele salvasse o banco do qual era dono. O "doleiro dos doleiros" contou ainda que, enquanto ainda era presidente do país vizinho, o político pediu para que ele não se entregasse às autoridades.

O doleiro teve a delação premiada homologada e renunciou a R$ 1 bilhão de seu patrimônio, o que transformou seu acordo com o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) o maior da Justiça brasileira. Os bens dos quais ele abriu mão incluem sete fazendas no Paraguai, um apartamento de luxo em Nova York e quadros de Di Cavalcanti. O doleiro, acusado de liderar um esquema que movimentou US$ 1,6 bilhão em 52 países, ficou foragido da Lava-Jato do Rio durante 15 meses até ser preso em julho do ano passado. Hoje senador vitalício no Paraguai e suspeito de ter ajudado na fuga de Messer, Cartes virou réu por organização criminosa. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu a ordem de prisão que havia contra ele.

O doleiro Dario Messer passou mais de um ano foragido, mas foi preso no fim de julho  - Foto: Reprodução 

Messer contou em depoimento que seu pai, o também doleiro Mordko, ajudou Cartes no mercado de câmbio, oferecendo crédito. Com sucesso nos negócios, o ex-presidente do Paraguai montou um banco. Mas, em 1994, ele passou por uma forte crise financeira. Foi nesse momento que a família emprestou os US$ 13 milhões a Cartes, que prometeu a Messer sociedade no banco. A oferta, no entanto, nunca se concretizou. De acordo com o doleiro, parte do empréstimo foi pago com três fazendas de clientes do banco que não quitaram suas dívidas. O resto — entre de US$ 8 milhões ou US$ 9 milhões — foi pago a Messer em parcelas mensais até ser liquidada antes de 2002.

O doleiro contou aos procuradores que, depois que foi alvo da Operação Câmbio Desligo, em maio de 2018, foi acolhido inicialmente por um empresário chamado Roque Silveira. Foi ele quem, segundo o doleiro, esteve em Assunção para um encontro com Cartes para saber se seria possível disponibilizar dinheiro para os gastos jurídicos de Messer. O ex-presidente paraguaio teria concordado. O doleiro estimava que, inicialmente, precisaria de US$ 500 mil.

Messer afirmou que chegou a falar com Cartes enquanto ele ainda era presidente do país vizinho. No depoimento, no entanto, ele não cita datas. Segundo o doleiro, o político pediu que ele não se entregasse às autoridades. Cartes presidiu o Paraguai entre agosto de 2013 a agosto de 2018. O ex-presidente já chegou a se referir a Messer como "irmão de alma". A proximidade era tanta que o doleiro conta que , enquanto o amigo era presidente do Paraguai, esteve na residência oficial, inclusive com o filho.

Dinheiro entregue à namorada

No depoimento, Messer disse que tentou retomar contato com Cartes em junho de 2018 para receber o valor e escreveu uma carta de próprio solicitando dinheiro. O doleiro afirmou que soube que a única pessoa com quem o político manteria contato seria com seu irmão, Júlio Messer, a quem Cartes teria afirmado que só entregaria dinheiro para uma pessoa de confiança. A indicada foi Myra Athayde, namorada do doleiro. Ela foi presa e depois também virou delatora na Lava-Jato.

Messer conta que, em janeiro de 2019, Myra foi ao Paraguai e se encontrou com a pessoa de confiança de Cartes e recebeu duas entregas de dólares em espécie, uma no valor de U$ 100 mil e, posteriormente, outra de U$ 500 mil. 

Aos procuradores, Messer contou ainda que seriam necessários U$ 600 mil para corromper autoridades paraguaias, para que ele obtivesse prisão domiciliar após se apresentar e para ter a extradição para o Brasil negada. O doleiro relata que a estimativa foi dada pela advogada Leticia Bobeda, filha de um ex-senador paraguaio. Posteriormente, Leticia teria dito que, por conta da repercussão do caso, os juízes paraguaios recuaram no recebimento da propina.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar