A Superintendência do Banco do Nordeste no Piauí contratou mais uma operação voltada à infraestrutura no estado. O financiamento, com valor total de R$ 429 milhões, efetivado para o Grupo Ibitu Energias Renováveis S/A, é centrado em energia fotovoltaica para o Complexo Solar Caldeirão 2 (CG2), instalado em Caldeirão Grande do Piauí. O município já contempla o Complexo Eólico Caldeirão Grande I.

O CG2 tem capacidade instalada de 213 MW e está estruturado em sete centrais geradoras. O montante investido representa 56% do volume necessário à totalização do projeto, que deverá contar, ainda, com aporte de R$ 334 milhões em recursos próprios. Cerca de 1000 empregos foram gerados durante a maior demanda de implantação do Complexo, sendo 67% da mão de obra de origem local. Sua primeira usina entrou em operação comercial no dia 04, e mais duas, que já estão em testes, têm previsão de começarem a operar até o fim de novembro.

Complexo Solar será instalado em Caldeirão Grande do Piauí (Foto: Divulgação)Complexo Solar será instalado em Caldeirão Grande do Piauí (Foto: Divulgação)“Contar com o apoio do Banco do Nordeste nesse processo tem sido fundamental, por todos os diferenciais que um banco de desenvolvimento regional oportuniza. O Complexo Solar Caldeirão Grande 2 consiste no terceiro empreendimento que firmamos em conjunto com o BNB, e continuarmos a ter essa parceria, que começou ainda em 2017, é estratégico para a ampliação de nossas ações sustentáveis na região”, destacou Ricardo Santos, diretor financeiro da Ibitu Energia.

Para o superintendente do Banco do Nordeste no Piauí, Diogo Martins, o financiamento, executado com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), evidencia a relevância do respectivo Fundo, gerenciado pelo BNB, para todos os estados da região, além de parte de MG e ES. "A contratação para o Grupo Ibitu corrobora a importância do trabalho de nossa instituição, responsável por administrar os recursos do FNE. Considera-se uma operação muito importante que dá sustentação à energia fotovoltaica no interior do Piauí, agregando novos investimentos, trabalho e renda ao PIB do município de Caldeirão Grande”, elencou o superintendente.

Entre janeiro e o último dia 10, R$ 3,038 bilhões foram financiados pelo Banco do Nordeste no estado, com recursos do FNE, por meio de mais de 62 mil operações, em todos os setores da economia. “Nossa instituição segue à disposição para contribuir com demais projetos estruturantes, bem como outras pautas que possam impulsionar os setores produtivos do Piauí”, acrescentou Diogo Martins