O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, registrou alta de preços de 1,01% em fevereiro deste ano. A taxa é superior às observadas em janeiro deste ano (0,54%) e em fevereiro do ano passado (0,86%). Essa é a maior taxa para um mês de fevereiro desde 2015 (1,25%). 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em fevereiro, os principais responsáveis pela alta de preços foram educação (5,61%) e alimentação e bebidas (1,28%). No caso da educação, o que pesou foi o fato que os reajustes praticados no início do ano letivo, nos cursos regulares, são incorporados ao IPCA em fevereiro.

Inflação fez alimentos aumentar de preço (Foto: Reprodução)Inflação fez alimentos aumentar de preço (Foto: Reprodução)

“Foi observada uma alta de 6,67% nos cursos regulares, que incluem os cursos de ensino infantil, médio e superior, por exemplo”, explicou o coordenador da pesquisa, Pedro Kislanov.

Os reajustes médios foram de 8,06% para o ensino fundamental, de 7,67% para pré-escola, de 7,53% para o ensino médio, de 5,82% para ensino superior e de 2,79% para pós-graduação.

E o que segue pressionando o custo de vida são os preços dos alimentos – cuja alta já passa de 80%, no caso da cenoura – e dos combustíveis: em 12 meses, a gasolina acumula avanço de 32,62% no país, o diesel, de 40,54%, e o do etanol, de 36,17%. Já o gás de botijão acumula alta de 27,63%. 

Confira a lista dos 50 itens que mais subiram de preço:

Fonte: IBGEFonte: IBGE

Fonte: IBGEFonte: IBGEFonte: IBGE

Fonte: IBGEFonte: IBGE

Com informações da Agência Brasil e do g1.