Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Desligamento de proteção levou a apagão no Nordeste, diz ministro

Equipamento não foi religado após manutenção, diz relatório. Segundo ministro, Taesa deveria ter feito testes e pode ser multada

Compartilhe

O ministro interino de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, disse nesta quarta-feira (31) que a causa do apagão que atingiu todos os estados do Nordeste na sexta (26) foi o não religamento de um equipamento de proteção de linha de transmissão depois que ele passou por uma manutenção.

De acordo com Zimmermann, o equipamento, localizado em uma linha de transmissão entre o Tocantins e o Maranhão que é operada pela empresa Taesa, do grupo Cemig (empresa de energia de Minas Gerais), havia passado por manutenção uma semana antes do apagão. Para isso, precisou ser desligada.

A investigação feita pelo governo identificou que o sistema de proteção não foi religado pela empresa após a manutenção, como previsto.

Na sexta (26), houve um curto-circuito em uma chave de subestação e, como essa proteção não estava ativa, o problema se propagou e o sistema elétrico ativou um sistema de retaguarda - que foi o que provocou o apagão.

Empresa pode ser multada

Segundo Zimmermann, se o equipamento de proteção da linha de transmissão estivesse funcionando, o curto-circuito não teria sido capaz de provocar o desligamento que atingiu todo o Nordeste.

"Essa proteção não funcionou porque não estava ativa no momento da ocorrência. Se estivesse ativa, nós não teríamos esse problema no sistema", disse o ministro interino. O governo, porém, ainda não sabe o que provocou o curto-circuito.

De acordo com Zimmermann, a empresa deveria ter feito testes para identificar o funcionamento do sistema de proteção após a manutenção, o que também não foi feito. Por conta disso, a Taesa pode ser multada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Falha humana

Com a conclusão do relatório, o governo reafirmou que o apagão foi provocado por falha humana: a não realização de um teste que apontaria que o sistema de proteção estava desativado.

?Não é normal ocorrer [a falha no religamento do sistema de proteção], mas ocorre?, diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, responsável pelo relatório divulgado nesta quarta pelo governo. O documento será encaminhado à Aneel, que deverá fazer novas fiscalizações.

O relatório do ONS também identificou falhas na recomposição do fornecimento de energia nos estados atingidos. O apagão, em algumas partes do Nordeste, durou quatro horas, tempo que Chipp considerou ?extremamente demorado.?

De acordo com Chipp, vão ser feitos estudos para propor alternativas para garantir a retomada mais rápida da energia em caso de novas falhas.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar