O Piauí deve receber de empresas do setor elétrico investimentos de mais de R$ 6 bilhões para o início da operação comercial de 27 novos parques eólicos e fazendas solares até janeiro de 2026. A informação é da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE e consta em relatórios de leilões de energia nova realizados nos últimos anos pela própria organização e pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL.

Serão 21 empreendimentos para geração eólica e 6 para solar fotovoltaica, que juntos devem entregar anualmente ao Sistema Interligado Nacional – SIN aproximadamente 322 megawatts médios, volume equivalente a quase 60% de toda a energia que é consumida em território piauiense. As novas usinas somarão mais de mil megawatts de potência, aumentando a capacidade instalada dessas fontes no estado dos atuais 3.800 megawatts para quase 5 mil megawatts.

Parque eólico (Divulgação ANEEL)Parque eólico (Divulgação ANEEL)

O Piauí está entre os estados que mais produzem energia renovável no Brasil, especialmente eólica. Na avaliação da Câmara de Comercialização, além do ganho ambiental, o crescimento dessas fontes gera emprego e renda, aumenta a confiabilidade do SIN e mantém o setor elétrico brasileiro entre os mais sustentáveis do mundo.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE é responsável por viabilizar e gerenciar a comercialização de energia elétrica no país, garantindo a segurança e o equilíbrio financeiro deste mercado.

A CCEE é uma associação civil sem fins lucrativos, mantida pelas empresas que compram e vendem energia no Brasil. O papel da CCEE é fortalecer o ambiente de comercialização de energia - no ambiente regulado, no ambiente livre e no mercado de curto prazo - por meio de regras e mecanismos que promovam relações comerciais sólidas e justas para todos os segmentos do setor (geração, distribuição, comercialização e consumo).