Em São Paulo, W.Dias negocia crédito de R$ 100 milhões para o Piauí

O crédito é para saneamento e outras áreas produtivas no estado

Cumprindo agenda em São Paulo, nesta segunda-feira (22), o governador Wellington Dias participou de audiência com representante do Banco de Desenvolvimento da América Latina - Missão CAF. O objetivo do encontro foi dar continuidade às negociações de créditos para saneamento e outras áreas produtivas no território piauiense

No encontro, foram apresentadas ao governador a conclusão de estudos sobre Fundo de Investimento e Participações em modelo que permite investimentos para projetos em piscicultura, em Nazária/Guadalupe; em fruticultura, na região de São João do PI; e na área do Leite, na região de Piracuruca.


"Nosso objetivo é potencializar áreas que o Piauí já demonstra bons resultados e o papel do governo é incentivar e apoiar esses empreendimentos que começamos a trabalhar em 2015 para este semestre concluir parte dos estudos e acordos com empreendedores e agentes financeiros. Em São João do Piauí, já tem investimentos em andamento na produção de frutas e a meta agora é fazer acontecer nas demais regiões", comemorou o governador Wellington Dias.

Para Luiz Fernando, do Grupo Caeté, que tem interesse em participar na organização e capitalização dos projetos para empreendimentos no Piauí, fala sobre a importância da iniciativa. "São arranjos produtivos com forte geração de empregos. Os pequenos, apoiados pelo Estado, ganham na produção e, como sócios do empreendimento, ganham também a agregação de valor", contou o investidor.

O representante do grupo ainda explicou sobre como podem se dar os financiamentos. “O projeto pode ser integrado com financiamentos apresentados ao CAF e Fida. E participação do BNB, BNDES ou CEF, com pequenos e médios investidores", explicou Luiz Fernando. O objetivo, segundo o governo, é selecionar agora empresas âncoras para cada negócio e trabalhar a produção, industrialização e comercialização em empreendimento lucrativo, seguro e sustentável.

O projeto de piscicultura deve investir em torno de R$ 50 milhões, na produção de alevinos, focado em tilápia, surubim pintado, pirarucu e tambaqui, além da industrialização da ração e do pescado. O projeto de fruticultura tem a uva como principal produto para venda in natura e deverá contar com produção, inicialmente, de suco da fruta. Ainda deverão ser cultivados melão, caju, goiaba, banana, acerola, manga e outras frutas em Investimentos que devem aplicar cerca de R$ 30 milhões. Para o projeto de produção e beneficiamento do leite, estão previstos em torno de R$ 28 milhões.

Parte dos recursos é capitalizada pelos empreendedores e outra parcela é obtida por meio de financiamento. "É um modelo em que o pequeno e médio podem ingressar no grande mercado do Brasil e do mundo", finalizou Wellington Dias.

Fonte: Portal MN
logomarca do portal meionorte..com