Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Entidades estão sem recursos para ajudar venezuelanos

A situação dos venezuelanos acolhidos em Teresina foi discutida em audiência com entidades e órgãos públicos.

Entidades estão sem recursos para ajudar venezuelanos
Audiência para tratar da situação dos venezuelanos em Teresina | José Alves Filho
Compartilhe
Google Whatsapp

Aconteceu na manhã da quarta-feira (5) uma reunião aberta para um debate sobre a situação dos venezuelanos que estão abrigados em Teresina, mas vivendo em situação de insalubridade. Na sede do Movimento Pela Paz na Periferia (MP3), vários membros de entidades e órgãos governamentais, como a Secretaria Estadual de Assistência Social (SASC), Comissão de Direitos Humanos, Ordem dos Advogados do Brasil no Piauí (OAB) e Cáritas, compareceram ao local para discutir as medidas tomadas para garantir a assistência a essas pessoas.

Crédito: José Alves Filho

Há reclamações pela falta de resoluções das medidas estabelecidas em reuniões anteriores. Além da precariedade do local onde eles estão morando, soma-se a falta de ações com os casos de crianças que são levadas com pais para os semáforos, além das condições de saúde dos venezuelanos.  “Eu espero que o poder público assuma sua função. O que a gente vem sentindo é que o poder público estadual e municipal não está fazendo nada, na prática. Eles estão auxiliando as ONGs, o que é o contrário, nós que temos que ser auxiliados”, disse o coordenador do projeto MP3, Júnior do MP3.

A situação dos imigrantes está preocupando as entidades, que já começam a sofrer com a falta de recursos para ajudar na demanda após a chegada de mais venezuelanos. A integrante da  Cáritas Arquidiocesana de Teresina, Lucineide Rodrigues, relata a situação de insalubridade em que eles vivem. 

“No lugar que eles estão não tem limpeza, as crianças ficam soltas na rua. A gente não consegue mais suportar essa situação por mais de 4 dias. Nós não temos mais recursos e são poucos voluntários e tentamos até mobilizar ajuda internacional”, disse.

Muitas dessas pessoas ainda estão com dificuldades para aceitar alimentos já prontos. “Eles não gostam e querem que alguém faça a comida para eles. Esses locais, que estão sendo pensados para acolhimento, precisam de uma cozinha”, disse Cícero Sousa, servidor da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) de Fortaleza/CE. 


Nesta quinta-feira (06), às 14h30, a situação do fluxo de venezuelanos e o tipo de apoio financeiro que o Piauí pode receber para acolher essas pessoas serão apresentados na Casa dos Conselhos.



Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se