Alerta: Piauí tem 173 municípios suscetíveis a desertificação

Há uma área aproximada de 800 mil hectares nessa condição.

O governador Wellington Dias participou da reunião de Implementação de Políticas Públicas de Combate à Desertificação no Brasil. O evento, sediado no Tribunal de Justiça do Piauí, reuniu pesquisadores e gestores da área, e discutiu alternativas para barrar a degradação no solo. O encontro marcou a assinatura dos termos de cooperação entre municípios, Estado e a União, estabelecendo compromissos com a causa da desertificação.

Teresina é a única capital brasileira suscetível a desertificação. O Piauí tem 173 municípios suscetíveis, e uma área aproximada de 800 mil hectares nessa condição. A cidade de Gilbués, no sul do estado, sozinha, possui 160 mil hectares em processo de desertificação. O quadro, preocupante, recebe a devida atenção do Governo Estadual.

Wellington Dias
Wellington Dias

“À medida em que temos degradado onde a terra perde a capacidade produtiva, significa uma menor capacidade produtiva alimentos, ou alimento mais caro. Isso culmina com a necessidade de importar de outros lugares do mundo”, pontuou o governador.

Em Gilbués, a 815 km de Teresina, o governo do Piauí mantém o NUPERAD (Núcleo de Pesquisa e Recuperação de Áreas Degradadas). Trata-se de uma área de 53 hectares, aberta a pesquisadores do mundo inteiro, para fins de experimentos em combate à desertificação. Em 2016, o NUPERAD recebeu investimentos acima de R$ 400 mil, aplicados na reformulação de viveiros, construção de cercas, barragens e outras intervenções. Como resultado desse trabalho, o núcleo distribuiu 30 mil mudas de espécies nativas do bioma cerrado para municípios em situações mais alarmantes de desertificação, como Palmeira, Santa Filomena, Uruçuí, Currais, Baixa Grande do Ribeiro e Ribeiro Gonçalves.

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos quer avançar mais. No evento, foi assinado um termo de cooperação técnica entre o governo do Estado e a ONG SOS Gilbués, para ampliar as ações de combate à desertificação já desenvolvidas pelo NUPERAD.

“Possibilita que o terceiro setor, representado por essa Ong, que está muito mais perto da comunidade, possa dar mais eficiência a gestão das técnicas desenvolvidas dentro do núcleo. O poder público sozinho não consegue conduzir esse processo. Essas parcerias com Ong’s e com as universidades, potencializam nossas ações”, avaliou o secretário de Estado do Meio Ambiente, Ziza Carvalho.

O governador Wellington Dias recebeu de um representante do Ministério do Meio Ambiente, um plano de recuperação 100 mil hectares desertificados na região de Picos. O governo deve recorrer a fontes internacionais para obter os recursos para a execução. O custo é estimado em US$ 200 milhões. Dias ressaltou ainda a intenção de inserir a desertificação na pauta de prioridades do Fórum de Governadores do Nordeste e do Fórum de Governadores do Brasil.

Participaram do encontro, o presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, Erivan Lopes, a secretária de extrativismo e desenvolvimento rural sustentável MMA, Juliana Simões, representantes dos Tribunais de Contas do Piauí e Amazonas, prefeitos de municípios nordestinos.

Fonte: Assessoria