Estuprada pelo irmão, menina dá à luz aos 12 anos

Perdeu a guarda do filho; 11 anos depois

Depois de dar à luz aos 12 anos, tornando-se a mãe mais jovem do Reino Unido, e perder a guarda de sua filha, a britânica Tressa Middleton decidiu contar sua história 11 anos depois de viver tamanho sofrimento. Isso porque sua primeira gravidez aconteceu depois de ser vítima de estupro provocado por seu irmão, cinco anos mais velho, e  ter perdido a guarda do bebê, que foi colocado para adoção. 


Ainda sofrendo por ter encaminhado sua filha (e sobrinha) para a adoção após o estupro, Tressa, que hoje tem 23 anos, conta que está grávida novamente, dessa vez por escolha. O pai da criança é seu noivo Darren, com quem mantém um relacionamento há sete anos. “Eu nunca vou abrir mão desse bebê”, disse ela ao “The Mirror”.

Image title


"Descobrir que estava grávida foi agridoce. Eu estou tão ansiosa para o futuro e já amo meu bebê, mas quando o resultado do teste de gravidez deu positivo, mesmo que eu estivesse feliz, também me sentia muito triste. Eu chorei”, conta Tressa, que espera ter a chance de viver a maternidade de forma plena com esse segundo filho.

Apesar de passados tantos anos, ela  conta ainda sente falta de sua filha, Annie, que criou por dois anos. A jovem mãe não teve escolha e foi proibida de ter contato com a criança depois de ter revelado que havia sido estuprada por seu irmão. Com a confissão de Tressa, ele foi julgado e condenado à prisão por quatro anos, a partir de 2009.

“Eu sou tão grata por, finalmente, poder ser a mãe que quis ser todos esses anos, mas não quero que minha primeira filha pense que eu a abandonei ou que ela está sendo substituída por esse novo bebê. Eu a receberia de volta de braços abertos amanhã se pudesse e espero que ela saiba que sempre será parte dessa família”.

Violência e consequências

A perda de sua filha fez com que Tressa entrasse em uma espiral de drogas e álcool. Em seu ponto mais crítico, ela chegou a gastar mais de R$1.500,00 em heroína em um único dia. Segundo contou ao tabloide, foi o noivo quem a ajudou a sair do buraco e, agora, com esta gravides, espera ter superado para sempre seu vício.

“Eu fico comparando essa gravidez a quando estava grávida de minha filha, mas são circunstâncias completamente diferentes. Eu era uma criança na época e o que aconteceu comigo estava fora do meu controle. Por mais que eu ainda me sinta culpada, no fundo eu sei que a culpa não é minha”, comentou.

Tressa espera que sua filha um dia conheça o novo bebê, mas não pretende procurar a guarda da menina porque acredita que seria egoísmo de sua parte retirá-la da família que a criou por tantos anos. Ela conta em um livro que escreveu dedicado a Annie.


Fonte: iG
logomarca do portal meionorte..com