Ex-coronel teria pedido propina de R$ 1 milhão para Michel Temer

Delator da JBS diz que oficial reformado da PM cobrou R$ 1 milhão

A amizade já dura mais de 30 anos. Mas foi só na última quinta-feira, quando agentes da PF foram às ruas, que ganharam força suspeitas de que a relação entre o coronel reformado da PM João Baptista Lima Filho e o presidente Michel Temer vai além.

Durante a operação, os agentes da PF vasculharam a casa e a empresa do Coronel Lima, como o amigo de Temer é conhecido. Estavam em busca de elementos para reforçar o depoimento do diretor da JBS, Ricardo Saud. Segundo o executivo, na campanha de 2014 Temer teria embolsado R$ 1 milhão dos R$ 15 milhões de propina que o PT repassou ao então vice-presidente para serem redistribuídos ao PMDB.

Image title

Não é a primeira vez que Lima é citado como receptor de propina para Temer. Em 2016, quando José Antunes Sobrinho, um dos sócios da Engevix, tentou fechar um acordo de delação na Lava-Jato, a revista “Época” revelou que a Argeplan e a AGF Consulting tinham ganhado concorrência de R$ 162 milhões para as obras de Angra 3, em 2012. O coronel teria convidado a Engevix, como subcontratada.

Sobrinho disse ter se encontrado duas vezes com Temer e o coronel, no escritório do então vice-presidente, em São Paulo, para tratar do assunto. Em seguida, Lima teria cobrado R$ 1 milhão, que seria destinada à campanha de Temer em 2014.

Depois que o almirante Othon Silva, ex-presidente da Eletronuclear, foi preso na Lava-Jato, o coronel teria procurado Sobrinho para devolver o dinheiro, mas o empresário recusou. Em 2016, a negociação para a delação de Sobrinho foi suspensa. Com o desmembramento da ação para o Rio, as tratativas foram retomadas.

Fonte: Com informações do OGlobo