Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Ex-interno afirma que fazia sexo com padre Júlio

Ex-interno afirma que fazia sexo com padre Júlio

Compartilhe

O ex-interno da Febem Anderson Marcos Batista, 25, acusado de extors?o pelo padre J?lio Lancelotti, 58, disse ? pol?cia que manteve um relacionamento homossexual com o religioso por cerca de oito anos em troca de dinheiro e negou ter praticado extors?o.

"Era tudo presente", disse o advogado de Batista, Nelson Bernardo da Costa, 49, que deu detalhes do depoimento. A reportagem n?o teve acesso aos documentos, mas a pol?cia confirmou que as declara?es do ex-interno foram nessa linha. Procurado ontem, padre J?lio n?o quis comentar o assunto. Seu advogado, o ex-deputado petista Luiz Eduardo Greenhalgh ligado ? Igreja, disse que o religioso ? uma v?tima.

Batista foi detido na noite de sexta no centro de S?o Paulo, com a sua mulher, Concei??o Elet?rio, 44, e Evandro dos Santos Guimar?es, 28 -irm?o de Everson dos Santos Guimar?es, 26, preso em flagrante em 6 de setembro, sob a mesma acusa??o. O trio estava foragido desde 9 de outubro.

Em agosto, o padre procurou a pol?cia para denunciar Batista. Disse que o ex-interno o chantageava e fazia amea?as, entre elas que iria denunci?-lo falsamente por pedofilia.

Na ocasi?o, padre J?lio disse ter pago R$ 50 mil a Batista, em tr?s anos. Na ?ltima ter?a, ele corrigiu o valor para R$ 80 mil.

Ontem, o advogado do religioso disse estimar em R$ 140 mil a R$ 150 mil a quantia repassada. Lancelotti afirma ter entregue o dinheiro por medo de ser agredido pelo grupo e, ainda, por crer que "poderia mudar as pessoas que o extorquiam". Costa disse que a quantia repassada pelo padre a seu cliente foi de R$ 600 mil a R$ 700 mil em oito anos. Com esse dinheiro, segundo o advogado, o ex-interno comprou carros de luxo e uma casa.

O delegado Andr? Luiz Pimentel disse que todos os detalhes narrados ser?o investigados, inclusive com o pedido de quebra do sigilo de uma conta banc?ria citada por Batista e atribu?da a Lancelotti.

Batista, segundo o advogado, n?o tem provas documentais do suposto relacionamento sexual com o padre, mas teria descrito detalhes do corpo do religioso que poderiam ser comprovados.

De acordo com Costa, seu cliente disse que as rela?es sexuais passaram de um abuso, durante a adolesc?ncia, para um consentimento, no in?cio da fase adulta. Por essa vers?o, Lancelotti teria ficado com ci?mes do casamento do ex-interno, h? cerca de um ano. "[Batista] Tinha uma amizade que se tornou um relacionamento sexual [com o padre].

Ele [o ex-interno] disse que aos 16, 17 anos foi abusado sexualmente pelo padre. Ele disse isso taxativamente", relatou Costa. Ainda segundo o advogado, Batista declarou que as rela?es ocorriam ap?s as missas celebradas pelo padre J?lio.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar