Ex-prostituta vira vereadora e se compara à Maria Madalena;conheça!

Ex-prostituta, Coroca fez história ao se eleger vereadora.

Uma das principais notícias do ano em todo o mundo, a insurreição dos eleitores contra a política tradicional sacudiu também a pequena cidade de Manacapuru (99 km de Manaus), onde a prostituta Francisca da Silva, a Coroca, fez história ao se eleger vereadora.

A candidatura de protesto partiu de taxistas e mototaxistas do movimentado cais do porto. Há anos, Coroca faz ponto ali entre bares e camelôs que também se aproveitam do vaivém de estivadores e viajantes.

A cidade de 95 mil habitantes vive um clima de sublevação contra o atual prefeito, Jaziel Tororó (PMDB), e a Câmara, onde ele tem maioria. Em outubro, ele ficou em terceiro lugar (24% dos votos), e apenas 2 dos 15 vereadores se reelegeram.

Francisca da Silva, a Coroca (Crédito: Folha Press)
Francisca da Silva, a Coroca (Crédito: Folha Press)

Em 16 de novembro, dezenas de funcionários municipais da saúde com salários atrasados jogaram tinta nas paredes de prédios públicos, incluindo a Câmara e a Prefeitura, e lançaram sacos de lixo na casa do prefeito. Atualmente, o principal hospital da cidade só atende casos de emergência.

A cidade amarga o 5.075° lugar (de 5.281 prefeituras) no Ranking de Eficiência Dos Municípios da Folha (REM-F). Pelas ruas, a sujeira acumulada pela paralisação da coleta de lixo e o esgoto a céu aberto são a parte mais visível da má administração.

"Aqui era a Princesinha do Solimões, vê se agora dá pra dizer isso?", diz o taxista Valdemir Santana, citando a alcunha da cidade.

Coroca se comparara a Maria Madalena, personagem bíblica que, mesmo tendo sido prostituta, foi perdoada. "Os humilhados serão exaltados. Maria Madalena foi uma prostituta, e Deus deu oportunidade pra ela. Por que não posso ganhar também? Sou mulher também", disse Francisca. 

Como destacou o taxista Santana, um dos idealizadores da candidatura, os eleitores não exigem muita coisa de Coroca. "É só para ajudar na melhoria da vida dela, é uma pessoa necessitada. Não precisa fazer nada, mas a gente espera que ela nos surpreenda", disse. 

Fonte: Com informações da Folha de São Paulo