A Coordenadoria de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) da Fundação Municipal de Saúde (FMS), divulgou um balanço com as ações desenvolvidas no ano de 2018. A coordenadora da IST, Alana Niége, informou sobre os trabalhos desenvolvidos principalmente na prevenção e diagnósticos de doenças e infecções, mas também ressaltou o trabalho realizado na atualização da atuação dos profissionais da Atenção Básica e Hospitalar.

\"Nós realizamos oficinas de atualização nas ISTs voltadas para profissionais da saúde e informando sobre as infecções, com foco principalmente nos médicos enfermeiros. Foram treinados mais de 220 enfermeiros da Atenção Básica. Sobre os enfermeiros da Atenção Hospitalar, foram feitas capactação de teste rápidos de HIV, sífilis e hepatites virais\", explica a coordenadora do IST.

Alana Niége também resaltou a mudança na logística na realização de pedidos de testes rápidos para o diagnóstico de HIV para as Unidades Básicas e Hospitalares de Saúde.

Ações de Educação e Saúde

Além do trabalho de profissionalização de profissionais, a IST também desempenhou ações de educação visando a prevenção para a população de Teresina, segundo ressalta a coordenadora Alana Niége. \"Essas atividades foram realizadas em diversas datas importantes do calendário teresinense , como nas prévias de carnaval, no Corso, nos blocos de carnaval. Também cumprimos calendário em eventos juntamente com a Fundação Monsenhor Chaves e na Parada da Diversidade\", ressalta a coordenadora.

A Coordenadoria de Infecções Sexualmente Transmissíveis também ressaltou o trabalho de parceria com ONGs de proteção a grupos com maiores riscos de serem infectados. Grupos como Associação das Travestis do Piauí (TRAP) e Associação das Prostitutas do Piauí (PROSP). \"Com essas parcerias são feitos testes de diagnóstico de infecções sexualmente transmissíveis nos prostibulos e trabalhos de edução sexual para os profissionais do sexo\", conta Alana Niége.

Ações de prevenção e testagens rápidas como é o caso de pessos privadas de liberdade e moradores de rua são realizadas diariamente. \"Essas pessoas em grupo de prioridade passam por testagens rápidas e são concientizadas sobre a prevenção. Além disso, fazem testes para HIV, Sífilis e hepatites virais\", explica a coordenadora da IST.