Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Governo busca regularização de áreas ocupadas por indígenas

Instituto de Terras (Interpi), busca a negociação com proprietários

Compartilhe
Google Whatsapp

O Governo do Estado do Piauí, por meio do Instituto de Terras (Interpi), busca a negociação com proprietários de áreas ocupadas por povos indígenas no estado. A medida é para que essas famílias possam receber o título definitivo das terras que têm produzido e realizado investimentos.

Os dados do IBGE apontam que, só no Piauí, há mais de 500 famílias que se identificam como indígenas, residindo, principalmente, nos municípios de Piripiri, Lagoa de São Francisco e Queimada Nova.

Governo busca regularização de áreas ocupadas por indígenas  (Crédito: :Paulo Barros)
Governo busca regularização de áreas ocupadas por indígenas (Crédito: :Paulo Barros)

Segundo Jailton Chaves, diretor de Operações do Interpi, o governo tem trabalhado para instruir e melhorar a qualidade de vida das famílias indígenas, bem como garantir o reconhecimento histórico dessa população.

“A Regularização Fundiária é uma das reivindicações da Carta dos Povos Indígenas Kariri e Tabajaras do Piauí e, para atender essa demanda, o goveno, por meio do Interpi, tem buscado, da melhor maneira possível, a identificação e o georreferenciamento dessas áreas, para realizar a regularização. O que dará maior segurança a essas famílias de continuar investindo em futuras produções, sem riscos de perdas”, esclarece Jailton, destacando ainda que a titulação dos povos indígenas terá a Funai como uma das parceiras.

Para Cícero Evangelista Dias, liderança indígena da Comunidade Tabajara Ypy, que possui 22 famílias, além da regularização das terras, as famílias buscam espaços maiores para investir em suas culturas.

“A área que temos para plantar o nosso milho, arroz, feijão e mandioca é muito pequena. Sentimos necessidade de uma área maior, o que agrava é que por não ser nosso, nem sempre esses espaços são cedidos e ficamos impossibilitados de produzir”, destaca Cícero Evangelista. 


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Carregar os comentários (0)

comentários

fechar comentários
Nenhum comentário feito até o momento

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto