Governo faz força-tarefa em assistência no assentamento 8 de março

O Governo do Estado mantém o esforço assistencial às famílias.

O Governo do Estado mantém o esforço assistencial às famílias do assentamento 8 de Março desde o último dia 15 de outubro, quando um incêndio destruiu 219 barracos, desabrigando famílias e matando uma criança. Desde o ocorrido, equipes de vários órgãos e secretarias estaduais estão mobilizadas na assistência às vítimas. Na próxima segunda-feira (30), representantes destes órgãos se reunirão às 9h30, na sede da Superintendência de Relações Sociais da Secretaria de Governo (Segov) para fazer um balanço das ações desenvolvidas no atendimento às vítimas e articular ações futuras.

De acordo com a superintendente de Relações Sociais, Nubia Lopes, o encontro vai reunir representantes de órgãos governamentais, Ministério Público, Secretaria municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social (Semtcas) e Movimento Sem Terra (MST). “O encontro tem como objetivo pontuar o que já foi executado, ver o que está em andamento e avaliar o que ainda deve ser feito”, frisou Nubia Lopes.

O secretário de Governo, Merlong Solano, observou que o Estado tem se esforçado para garantir a assistência às famílias desabrigadas. “A nossa preocupação inicial garantir acesso à água potável, alimentação e saúde para todos. Agora estamos empenhados em solucionar o problema da regularização fundiária das terras onde as famílias estão vivendo e falta de documentação das famílias, que perderam seus documentos pessoais”, explicou o secretário, ressaltando que o Instituto de Terras do Piauí (Interpi) já executou o georeferenciamento da área e, junto com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) está cuidando do processo de regularização.

 (Crédito: Efrém Ribeiro)
(Crédito: Efrém Ribeiro)

Merlong Solano lembrou ainda da importância de conscientizar a população para os riscos de queimadas. “Infelizmente estamos passando por um período de altas temperaturas, então é essencial que a população se junte ao poder público na difícil tarefa de combate às queimadas, a fim de evitar a ocorrência de incêndios com grandes proporções, como este que aconteceu no assentamento”, frisou o gestor.

Ações

Desde que tomou conhecimento do incêndio no assentamento 8 de março, o Governo mantém uma força-tarefa incluindo órgãos como as Secretarias de Governo (Segov), Saúde (Sesapi), de Desenvolvimento Rural (SDR), da Assistência Social e Cidadania e da Defesa Civil. Segundo informou Nubia Lopes, a Sesapi já disponibilizou atendimento médico e psicológico; a Sasc distribuiu colchões e outros produtos; a SDR atua na distribuição de alimentos e apoio logístico.

“A Defesa Civil também enviou reservatórios de água, no intuito de garantir o abastecimento e a Secretaria de Segurança também montou um mutirão para expedição de documentos de identidade das pessoas que perderam seus documentos no incêndio. Além do Governo, o Ministério Público, os movimentos sociais e a sociedade civil têm se mobilizado através de visitas in loco e doações de roupas e alimentos. É a soma destes esforços, aliada à solidariedade das pessoas que está garantindo a assistência às famílias vítimas do incêndio”, finalizou a superintendente de Relações Sociais.

Fonte: Ascom
logomarca do portal meionorte..com