Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Governo oficializa general Pazuello como ministro interino da Saúde

Nomeação ocorre quase 20 dias após saída de Nelson Teich.

Compartilhe

O general Eduardo Pazuello foi oficializado nesta quarta-feira como ministro interino da Saúde. Na prática, Pazuello já vinha comandando interinamente o ministério desde o dia 15 de maio, quando Nelson Teich pediu demissão. O general era o secretário-executivo de Teich. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). As informações são do O Globo.

O presidente Jair Bolsonaro já afirmou que Pazuello vai ficar "muito tempo" no comando do Ministério. A interinidade ocorre em meio à pandemia do novo coronavírus, que já causou 31.199 óbitos no país. Bolsonaro classifica Pazuello como "gestor de primeira linha" e já disse que ele faz um "excepcional trabalho na pasta".

— Por enquanto, deixa lá o general Pazuello, está indo muito bem. É um gestor de primeira linha — afirmou Bolsonaro no dia 19 de maio. — É um tremendo de um gestor, está fazendo um excepcional trabalho lá.

Crédito: Anderson Riedel/PR

Segundo adiantou a coluna do jornalista Lauro Jardim, do GLOBO, Pazuello comunicou à equipe da pasta que deve permanecer na interinidade até o fim de agosto ou, ainda, no início de setembro. A partir dessa data, segundo o general, ele conversará com o presidente Jair Bolsonaro para discutir sua eventual efetivação.

No período entre a demissão de Teich e a confirmação de Pazuello como interino, o Brasil registrou 337.160 novos casos da Covid-19 e 14.817 óbitos pela doença. Neste período, o general despachou como substituto eventual na função de secretário-executivo da pasta.

Desde a chegada do coronavírus ao Brasil, o país já teve dois ministros e, agora, segue de forma indefinida com um terceiro nome de forma interina. Luiz Henrique Mandetta (DEM) foi demitido após sucessivos embates públicos com o presidente, que defendia o chamado isolamento vertical e a aplicação da cloroquina no tratamento de pacientes da Covid-19 mesmo sem eficácia comprovada cientificamente. Teich, seu sucessor, ficou menos de um mês no cargo e pediu exoneração por também discordar do uso da medicação de forma irrestrita.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar