Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Grupo cerca hospital para evitar aborto em menina de 10 anos; vídeos

Manifestantes anti-aborto receberam médico aos gritos de "assassino". Procedimento foi autorizado pela Justiça após criança ser estuprada

Compartilhe

Parece não ter fim o drama da menina de 10 anos, moradora do interior do Espírito Santo, que teve a interrupção de uma gravidez fruto de estupro autorizada pela Justiça. Após passar mais de uma semana sob a guarda do Estado esperando uma decisão judicial e de ter tido um procedimento cancelado porque a equipe médica capixaba se negou a fazer a intervenção, a criança foi levada para Pernambuco, mas um grupo de manifestantes anti-aborto cercou o hospital neste domingo (16/8), na tentativa de impedir o procedimento.

Leia Mais: Criança de 10 anos que foi estuprada pelo tio vai interromper gravidez

Grupo de religiosos em frente a hospital onde menina de 10 anos fez aborto - Foto: Reprodução

Os manifestantes, a maioria religiosos ou membros de grupos de extrema-direita, alega que a gestação da menina já passou das 20 semanas e que mesmo o aborto legal a essa altura seria proibido. O tempo de gestação da menina, porém, não foi confirmado oficialmente.

O limite legal para o aborto quando a mulher é vítima de estupro é de 22 semanas de gestação e 500g de peso do feto.

O caso dela foi identificado pelas autoridades de São Mateus (ES) no último dia 8 de agosto, quando ela foi atendida em um hospital e teve a gravidez atestada. Chamada a polícia, a criança contou que sofria abusos há 4 anos. O autor seria um tio da vítima. O homem de 33 anos teve a prisão decretada e está foragido.

A autorização judicial para o aborto, pedido pelo Ministério Público, veio na sexta-feira (14/8). Nesse sábado (15/8), um hospital de Vitória (ES) alegou motivos técnicos para não realizar o procedimento e a Justiça determinou a ida da menina para outro estado.

Grupo de religiosos chamou médicos de "assassinos" na porta de hospital que criança fez aborto

Veja vídeos publicados nas redes sociais dos protestos em frente ao hospital no Recife na tarde deste domingo:







Ver essa foto no Instagram









Absurdo!!! Um grupo de fundamentalistas religiosos se reuniu em frente ao hospital em que uma criança de 10 anos interromperá a gravidez, após ter sido estuprada. A menina sofria abusos constantes desde que tinha 6 anos de idade. A Justiça deu aval para o procedimento nesta sexta (14), uma vez que o aborto é permitido caso a mulher corra risco de morte ou tenha sofrido abusos sexuais. A criança se enquadra nas duas características. O grupo inconsequente recepcionou o médico do caso com gritos de “assassino”, e ainda tentou invadir a instituição. Palavras não conseguem expressar o quão inacreditável e horrível é a situação. Falta de empatia disfarçada de convicção, de uma suposta “moral”. Para esse povo se dizendo “pró-vida”, vocês já pararam para pensar na cabeça dessa menina? Em todos os traumas que ela sofreu? Na tortura que ela teve que aguentar durante todo esse tempo, e ainda aguenta? Já pararam para pensar que uma criança de 10 anos não foi feita para gerar outra vida? Que ela pode morrer, inclusive? O que assusta também é não haver qualquer manifestação para que o estuprador seja encontrado e preso. Vemos apenas a vítima sendo alvo de ataques enquanto o verdadeiro culpado vive livre, sem ter a identidade revelada e segue isento de qualquer responsabilidade ou castigo pelos seus atos. Algo está muito errado, não? Fica aqui o nosso repúdio para o ato e o desejo de que a garotinha consiga se recuperar de tantos horrores aos quais está sendo submetida! (🎥: Reprodução)

Uma publicação compartilhada por  Hugo Gloss (@hugogloss) em


Autorizado pela Justiça

A autorização para o aborto, segundo divulgado pelo site UOL, foi dada pelo juiz Antônio Moreira Fernandes, da Vara da Infância e da Juventude de São Mateus (ES), cidade onde a menina grávida mora. Ele atendeu pedido do Ministério Público Estadual (MP-ES), para quem o fato de a gestação decorrer de um estupro e representar riscos para a mãe torna o aborto legal.

Porém, apesar da decisão, o hospital para onde a garota foi levada, em Vitória, disse que não tinha condições para realizar o procedimento, argumentando que o tempo da gestação está muito avançado.

Transferência para Recife

Diante da recusa do hospital de Vitória, a Promotoria da Infância e da Juventude de São Mateus e a Secretaria Estadual de Saúde decidiram, então, pela transferência da paciente para Pernambuco, onde há uma equipe disposta e preparada para realizar o aborto.

Por nota, a Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES-PE) informou que "segue a legislação vigente em relação à interrupção da gravidez (quando não há outro meio de salvar a vida da mulher, quando é resultado de estupro e nos diagnósticos de anencefalia), além dos protocolos do Ministério da Saúde para a realização do procedimento, oferecendo à vítima assistência emergencial, integral e multidisciplinar".


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar