Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Guarda Municipal salva bebê recém-nascido engasgado em Teresina; vídeo

Segundo informações de familiares, a menina já estava a alguns minutos sem respirar, apresentando vermelhidão e quase desmaiando.

Compartilhe

Um ato heróico de uma guarnição da Guarda Civil Municipal salvou um bebê recém-nascido de apenas 17 dias, após se engasgar com restos de parto na tarde desta terça-feira (16), no povoado Cajaíba na zona rural Leste de Teresina. Segundo informações de familiares, a menina já estava há alguns minutos sem respirar, apresentando vermelhidão e quase desmaiando.

Por volta das 14 horas, a equipe de guarda escalada para o patrulhamento de rotina na zona rural, formada pelos GCMs Eliesio, Neto Lopes, Vieira e Júnior Brito, se depararam com uma família pedindo ajuda. Uma bebê prematura, Ágata Vitória, estava com as vias aéreas obstruídas. De imediato, a equipe prestou os primeiros socorros na situação. 

Guarda Civil Municipal salva bebê engasgada em Teresina (Divulgação) 

Um vídeo compartilhado nas redes sociais mostra o Guarda Municipal Júnior Brito fazendo a manobra para desengasgar a criança, no qual obteve êxito. “Peguei a criança e coloquei de barriga para baixo e deixei que a força da gravidade fizesse o resto do serviço. Ela começou logo a chorar, pois não estava respirando. A gente foi desobstruindo, tirando o resto de secreção da boca dela, do narizinho dela e decidimos levar ela pro hospital. A gente fez a remoção da mãe e da criança para a maternidade do Satélite”, disse o agente. 

Em entrevista ao Meionorte.com, Júnior Brito explicou a importância da ação imediata nessa situação. “O rápido atendimento é muito importante nessas situações, principalmente quando se trata de vias aéreas. A primeira fase é saber se a pessoa está respirando. Se não, precisamos fazer o máximo para ela voltar a respirar. A questão foi mesmo de sorte, pois a gente tava passando na hora e o bebê também. Nenhuma das pessoas lá iriam conseguir fazer atendimento e se fosse esperar a ambulância, ia demorar muito. A bebê era prematura, nasceu de oito meses. Se não tivéssemos passado na hora, a bebê não conseguiria, porque é muito longe lá. Para chegar na maternidade do Satélite demorou uma meia hora de viatura e sirene ligada”, detalhou.




Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar