Homem é condenado a 33 anos de prisão por morte de major

Participou do assassinato do major do 1º Batalhão do Piauí

O campomaiorense Iranildo Pereira dos Santos e seu comparsa Wallison Jhonatan Rodrigues de Sousa (conhecido por Camdomblé) foram condenados a 33 anos e quatro meses de prisão pela na morte do comandante do 1º Batalhão de Polícia Militar do Piauí Mayron Moura Soares, 44 anos. O PM foi assassinado com um tiro no peito no dia 21 de março deste ano durante assalto.

O major Mayron Moura Soares e seu filho Mayron Moura Soares Junior estavam numa parada de ônibus, no Bairro Dirceu, em Teresina, no momento que dois assaltantes os abordaram. Segundo o inquérito, Iranildo Pereira pilotava a moto, enquanto Wallison Rodrigues que trafegava na garupa do veículo anunciou o assalto e disparou um tiro contra o peito do policial.


A tornozeleira usada por Iranildo Pereira levou a polícia a desvendar os autores do crime. O inquérito mostrou que o sinal do aparelho foi localizado no local do crime. Uma guarnição se dirigiu a casa de Iranildo. Ele primeiro negou participação no assassinato, mas confessou após sua esposa afirmar que ele estaria envolvido, e entregou o paradeiro do comparsa Wallison logo em seguida.  

A defesa do campomaiorense alegou que ele teve participação de menor importância no crime. Já a defensoria pública defendeu pena mínima para o autor do disparo sob justificativa que ele confessou o latrocínio.  A juíza Junia Maria Feitosa Bezerra Fialho, da 4ª Vara Criminal de Teresina, contudo, estabeleceu pena de 33 anos e quatro meses em regime fechado para os réus na penitenciária Irmão Guido. Eles já se encontram preso desde o dia do crime.

Fonte: Com informações do Campo Maior em Foco
logomarca do portal meionorte..com