Um britânico acusado de infectar diversas pessoas com o vírus HIV de forma proposital foi condenado à prisão perpétua pelo tribunal da Coroa de Brighton, na Inglaterra, na quarta-feira (18), conforme divulgado pela polícia de Sussex.

Darryll Rowe, de 27 anos, foi considerado um criminoso que representa risco e perigo para a população. "Depois de considerar todas as características agravantes e considerável premeditação neste caso, eu te sentencio a prisão perpétua”, afirmou a juíza Christiane Henson no julgamento.

O cabeleireiro foi preso em 2016 acusado de infectar 10 homens com o vírus causador da Aids e já havia sido considerado culpado em novembro, mas o tribunal esperou o resultado de exames psiquiátricos para dar a sentença.

A suspeita começou após uma clínica em East Sussex acionar a polícia por conta da semelhança entre os casos de dois de seus clientes que haviam contraído HIV. O caso teve grande repercussão na imprensa britânica.

Rowe negou os crimes, mas a polícia descobriu que o homem havia recusado tratamento para reduzir o contágio da doença. Ele contatava as vítimas através de um site de encontros e se apresentava com nome falso. Após o contágio, o britânico ainda enviava mensagens vingativas informando que havia transmitido o vírus.

"Esse vírus tirou a vida dos meus pais, meu pai biológico e minha mãe morreram de Aids quando eu era criança. Essa doença é algo que eu nunca encarei de forma leve. Eu fiz de tudo para evitar que o vírus me pegasse. Eu ensinei a mim mesmo sobre sexo seguro e sempre usei camisinha, mas em 13 de novembro de 2015, Daryll Rowe decidiu tirar isso de mim. Uma parte de mim morreu naquele dia quando fui diagnosticado”, afirmou uma das vítimas no tribunal.

Ao júri, Rowe disse que acreditva em tratamentos alternativos para a doença e chegou a beber sua própria urina diariamente na esperança de obter a cura.