Um homem identificado como William Paulo gravou um vídeo onde aparece propositalmente soltando um foguete ao lado do recinto da onça pintada, conhecida como Tupã, no parque Zoobotânico de Teresina. O caso, que repercutiu nas redes sociais, está sendo investigado pelo Batalhão da Polícia Ambiental (BPM). 

Em entrevista ao Meionorte.com, o ambientalista Dionísio Carvalho relata que o suspeito de praticar o crime no local, está sendo investigado pela ação proposital no recinto da onça pintada no Zoobotânico. Segundo ele, o local é proibido de soltar foguetes e usar objetos que possam prejudicar moradores da região.






Ver essa foto no Instagram










Uma publicação compartilhada por Grupo Meio Norte Comunicação (@meionorte)

“Ele (William Paulo) soltou do lado do recinto. Ele postou nas redes sociais e ainda diz que soltou do lado. E lá é proibido soltar fogos barulhentos. o Batalhão da Polícia Ambiental (BPM) está procurando identificar o suspeito desse ato criminoso, que poderia ter causado um incêndio dentro do Zoobotânico”, afirma.

No vídeo em questão, o autor do crime questiona a Capital piauiense e prova seu ato proposital em soltar foguetes sem preocupações em consequência. 

“William no vídeo, entendeu, sou aqui da cidade, da pior capital do Nordeste, tô aqui no Zoobotânico, aqui atrás está minha bicicleta e lá atrás está a onça pintada, e aqui você vai entender de tudo um pouco”, relata William no vídeo. O suspeito, logo em seguida, acende o foguete e joga ao lado. 

Homem é investigado por soltar foguete em recinto de onça no Zoo de THE (Foto: Reprodução)Homem é investigado por soltar foguete em recinto de onça no Zoo de THE (Foto: Reprodução)Homem é investigado por soltar foguete em recinto de onça no Zoo de THE (Foto: Reprodução)Ainda segundo o ambientalista, estão sendo realizadas campanhas contra foguetes barulhentos que podem afetar animais, autistas, crianças, idosos e doentes. Dionísio Carvalho diz que a onça está bem e que foi apenas um susto.

Até a última atualização desta matéria, o autor do crime William Paulo, está desaparecido, e o Batalhão da Polícia Ambiental investiga o caso.