Quando o padre italiano Humberto Pietrogrande chegou ao Piauí em 1985, ele trouxe na bagagem a crença de que tudo importa no cuidado de uma vida. Enviado por jesuítas para assumir a Paróquia do Divino Espírito Santo, situada no bairro Socopo, em Teresina, o sacerdote promoveu diversas ações para dinamizar a ajuda aos desamparados colocando em prática a experiência de anos à frente do Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo (MEPES).

Em contato com teresinenses residentes em regiões periféricas, o padre identificou a carência de profissionais da área de saúde em comunidades mais afastadas do Centro da cidade.

Hospital São Carlos Borromeo (HSCB) | FOTO: Ravena LagesHospital São Carlos Borromeo (HSCB) | FOTO: Ravena Lages

No dia 25 de novembro de 1993, com o auxílio de voluntários e líderes comunitários, Humberto Pietrogrande fundou o Hospital São Carlos Borromeo (HSCB), que incorporou a nobre missão de fornecer um melhor atendimento e atenção à saúde da população dos bairros Socopo e Pedra Mole, na zona Leste de Teresina. 

Implantado para aliviar o sofrimento dos mais pobres e vulneráveis, o centro de saúde é considerado até hoje um tesouro comunitário. Os profissionais de saúde pregam no atendimento o legado de amor, empatia e comprometimento com o bem-estar do próximo, virtudes que fazem parte da história de Pietrogrande.

Tudo começou por intermédio da Fundação Padre Antônio Dante Civiero (Funaci), projeto que administra diversas obras nas áreas da educação, serviço social e saúde. No começo, o objetivo era construir um hospital de pequeno porte, porta aberta para urgência e emergência clínica.

FOTO: Ravena LagesFOTO: Ravena Lages

As estruturas criadas para o setor de saúde eram voltadas para o predomínio da medicina preventiva. Contudo, o crescimento da região da Pedra Mole e de outros bairros circunvizinhos demandou a implantação de um serviço de saúde onde a medicina curativa obteve destaque, sem deixar de lado o aspecto preventivo através das lideranças de saúde e do serviço social da Funaci. 

Apoio à saúde para as comunidades mais distantes do Centro

Hoje, o Hospital São Carlos Borromeo é o único de médio porte situado na região da Grande Pedra Mole. O acolhimento desenvolvido pelos profissionais de saúde ganha destaque na região e prova que a cura também chega através do amor.

Com profissionais dedicados, a atenção aos pacientes ultrapassa o ato obrigatório de médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem. Quem busca o HSCB, encontra apoio. O atendimento humanizado, além de confortar o paciente, ajuda manter o tripé do centro de saúde: pessoa, família e comunidade.

Débora Winger, diretora de enfermagem, acrescenta que o hospital cumpre uma média de 150 atendimentos por dia. “Com a média de 150 atendimentos por dia, a gente acaba desafogando o fluxo de pacientes nos grandes hospitais. Eu, como profissional e atuando na área, vejo que muitos pacientes que necessitam desse atendimento acabam vindo para cá porque não conseguem vagas em outros hospitais. É um projeto de vida, pela vida” contou Débora.

Débora Winger, diretora de enfermagem, detalha atendimentos | FOTO: Ravena LagesDébora Winger, diretora de enfermagem, detalha atendimentos | FOTO: Ravena Lages

O hospital dá vazão à alta demanda de cirurgias do  Hospital Infantil Lucídio Portela (HILP) e suporte ao Hospital Lineu Araújo. As equipes são compostas por colaboradores do hospital e profissionais cedidos pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina.

Mantido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) por meio de metas estabelecidas no convênio de contratualização com o Ministério da Saúde, o HSCB atende os pacientes das áreas circunvizinhas como Pedra Mole, a região da grande Socopo, e também zonas rurais e de outros municípios do Piauí, uma vez que integra o Sistema de Regulação.

FOTO: Ravena LagesFOTO: Ravena Lages

O HSCB possui 29 leitos de clínica médica (10 leitos masculinos, 13 femininos, 5 infantis e 1 misto) e 10 leitos de clínica cirúrgica pediátrica. No Pronto Atendimento, são destacados 7 leitos para observação clínica (2 pediátricos, 2 masculinos e 3 femininos), uma sala de medicação e uma sala de estabilização para emergências clínicas. O hospital conta também com uma sala para curativos, aplicação de injeção, e espaço para pequenos procedimentos ambulatoriais (retirada de pontos, pequenas suturas e troca de sonda vesical).

Referência no atendimento humanizado.

A enfermeira Lenara Coelho afirma que por ser de baixa complexidade, o HSCB cumpre muito bem seu papel social. “Além do excelente atendimento, nós temos o compromisso como colaboradores e com cada um que chega no hospital. O nosso diferencial é no atendimento, que é humanizado, já que o acolhimento é físico e psicossocial”, falou.

Enfermeira Lenara Coelho integra equipe de atendimento do hospital | FOTO: Ravena LagesEnfermeira Lenara Coelho integra equipe de atendimento do hospital | FOTO: Ravena Lages

No HSCB, também se destacam os serviços de fisioterapia, que funcionam por demanda de marcação, e o serviço social. Assistentes entram nas comunidades para identificar o perfil dos pacientes com o intuito de conhecer quem precisa de atendimento médico e social.

Para a paciente Jessica Araújo Lima, os serviços do HSMB transformaram sua vida. “Sempre sou bem atendida, converso com as pessoas, conto tudo que estou passando. A comida é maravilhosa e aqui faço tudo que preciso para cuidar da saúde”, disse.

A fé que se faz presente 

Vinte e um anos depois de fundar o hospital, o padre Humberto faleceu vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Ele estava internado em um leito no Hospital São Carlos Borromeu, onde sua missão foi ponto de descanso do corpo. 

Quadro exposto na capela do hospital lembra obra do padre Humberto.  | FOTO: Ravena LagesQuadro exposto na capela do hospital lembra obra do padre Humberto.  | FOTO: Ravena Lages

Como a história do padre e do hospital se entrelaçam, foi construído no leito em que ele morreu uma pequena capela frequentemente usada para orações de pacientes e funcionários.

Equipes que trabalham no local relatam que o espaço proporciona paz, recarrega energias e acalma corações aflitos. Segundo Vânia Vieira, superintendente da Funaci, a pequena capela, construída em 2021, é uma justa homenagem a Humberto Pietrogrande.

“O padre não trouxe apenas a saúde, ele também trouxe escolas da família, creche e outros projetos. A nossa capela é muito especial porque foi nela que ele entregou sua vida, ele disse que queria ficar no meio do seu povo. Era um grande sonho dele ter um cantinho para orações”, contou Vânia.

Vânia Vieira, superintendente da Funaci | FOTO: Ravena LagesVânia Vieira, superintendente da Funaci | FOTO: Ravena Lages