Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Imagens mostram agressão a médica que pediu fim de festa no Rio

Uma das imagens mostra o momento em que uma mulher de calça vermelha e top preto puxa os seus cabelos enquanto ela é carregada pelo rapaz.

Compartilhe

Imagens que circulam em redes sociais mostram as agressões relatadas pela médica Ticyana D'Azambuja, de 35 anos, sofridas na tarde do último sábado no bairro do Grajaú, na Zona Norte do Rio. Fotos mostram o momento em que a profissional de saúde, que vestia calça jeans e blusa preta, era carregada por um homem. Ticyana afirma que foi agredida ao ir até o imóvel para pedir o fim de uma festa que ocorria no local. As informações são do IG.

De acordo com a médica, uma das imagens mostra o momento em que uma mulher de calça vermelha e top preto puxa os seus cabelos enquanto ela é carregada pelo rapaz. Ainda segundo Ticyana, na mesma foto, um homem de bermuda jeans e blusa amarela foi flagrado enquanto socava seu rosto.

Nessa segunda-feira, Ticyana esteve na 20ª DP (Vila Isabel) para registrar o caso e prestar depoimento. Em seguida, foi encaminhada para o Instituto Médico Legal (IML), no Centro do Rio, onde passou por exame de corpo de delito. A médica relata que teve o joelho esquerdo quebrado e as mãos pisoteadas.

Em entrevista, a profissional de saúde relatou que já havia feito diversas denúncias à Polícia Militar sobre as festas que ocorriam na casa, localizada na Rua Marechal Jofre, sem que seus chamados tivessem sido atendidos.

No sábado, resolveu descer à rua e, num ato, que classifica como "impensado", quebrou o espelho retrovisor e trincou o para-brisa de um carro estacionado na calçada e isso teria sido o estopim para as agressões . Antes, porém, havia pedido para que acabassem com a festa, que estava lotada, sem ter sido atendida. A Polícia Civil já identificou que o dono do veiculo é um policial militar.

Em uma postagem feita em uma rede social, Ticyana afirma que o PM, que estava na festa, lhe pediu R$ 6,8 mil reais para consertar o carro e para que “tudo ficasse por aquilo mesmo”.

"Foi errado. Foi impensado. Foi estúpido. Mas sou humana e fiz uma besteira contra um bem material de outra pessoa. Não foi um ato contra nenhum outro ser humano, isso eu sou incapaz de fazer. Cinco marmanjos (me lembro de uns 5) saíram, e obviamente, bêbados e drogados, típicos 'cidadãos de bem', não estavam para conversa. Apavorada, vi o potencial da besteira que fiz e saí correndo. Me agarraram em frente ao Hospital Italiano. Me enforcaram até desmaiar. Me jogaram no chão e me chutaram. Quando retornei à consciência, gritava por Socorro! Isso aconteceu no dia 30 de maio por volta de 17h, em plena luz do dia", relatou a médica numa postagem em rede social.

Ticyana acrescentou que desceu para tentar que a festa terminasse porque havia trabalhado em um plantão no dia anterior e assumiria outro na mesma noite, por isso precisava descansar. Ela vem atuando na linha de frente no combate ao novo coronavírus.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar