Um cidadão do estado americano de Michigan que foi absolvido da condenação por assassinato depois de passar 45 anos na prisão, não enfrentará um segundo julgamento.

A promotora Kym Worthy disse na quarta-feira (28) que está desistindo do caso contra Richard Phillips. Ela afirma que ele foi vítima de falso testemunho por parte de uma testemunha chave. Worthy afirma que o que aconteceu com Phillips "não foi justiça em absoluto".

A condenação por assassinato de Phillips foi descartada no verão passado e ele está solto desde dezembro. Phillips provavelmente será elegível para mais de US$ 2 milhões de indenizações sob a lei de condenação ilícita de Michigan. Há muitos anos, ele afirma que não tem nada a ver com o tiroteio fatal de Gregory Harris em 1971. Em 2014, a Clínica de Inocência da Escola de Direito da Universidade do Michigan descobriu que um dos réus disse que Phillips não desempenhou nenhum papel no assassinato.

Richard Phillips (Crédito: Reprodução )
Richard Phillips (Crédito: Reprodução )

Ainda que Richard Phillips se considere inocente e tenha passado mais de quatro décadas na prisão, ele considera que o sistema penal funciona bem, mas apenas "não é rápido o suficiente". Ainda segundo Phillips, uma vez que "nunca carregou amargura, não é um homem amargo".

A promotora responsável pelo caso lamentou e disse que não há nada que possa fazer, neste momento, para recompensar a vítima.

"Não há nada que eu possa dizer para trazer de volta 40 anos da vida dele. O sistema falhou para ele", disse Worthy.

Um dos objetivos de Phillips agora é reencontrar-se com os dois filhos, que tinham 2 e 4 anos quando ele foi preso em 1972. Ele afirma que apesar de seu caso ter se tornado famoso, não teve notícias deles desde então.