Atentados múltiplos nesta segunda-feira (30), provocaram a morte de pelo menos 26 pessoas incluindo dez jornalistas e quatro policiais no Afeganistão. Dois deles envolveram homens-bombas em Cabul, com 25 mortos e cerca de 49 feridos. Em ataque separado no sudeste do país um repórter da emissora BBC foi morto a tiros.

Segundo a ONG  Repórteres sem fronteiras, até então 14 jornalistas teriam morrido por causa do trabalho no mundo inteiro em 2018, um deles no Brasil.

O grupo extremista Estado Islâmico -EI reivindicou a autoria dos ataques a bomba em Cabul, mas a morte do jornalista da BBC ainda não tem autoria identificada. 

Houve uma primeira explosão em Cabul, pouco antes das 8h (horário local), em uma área próxima à sede do Serviço de Inteligência Afegão (NDS).

De acordo com a Polícia local, um homem-bomba que circulava em uma motocicleta detonou seus explosivos diante de um curso de inglês na área de Shash Darak.

 (Crédito: Massoud Hossaini/Associated Press)
(Crédito: Massoud Hossaini/Associated Press)

Jornalistas seguiram para o local do atentado, onde cerca de 30 minutos depois houve outra explosão. De acordo com uma fonte das forças de segurança, o segundo homem-bomba estava disfarçado de repórter com uma câmera na mão.

Shah Marai, diretor do departamento de fotografia da agência da AFP em Cabul, que seguiu para o local da primeira explosão, morreu na segunda detonação. Ele deixou mulher e seis filhos - o mais novo com apenas semanas de vida.