Cerca de 337 pessoas ficam feridas durante referendo na Catalunha

Durante o referendo, houve confronto com a polícia

Confronto entre a polícia e grupos que querem votar no plebiscito separatista da Catalunha, na Espanha, deixaram pelo menos 337 feridos neste domingo (1º), segundo o governo catalão, cuja região busca se tornar independente do resto do país.

De acordo com os jornais "El País" e "The Guardian", os confrontos aconteceram quando a polícia tentava impedir a abertura de colégios eleitorais para promover o referendo considerado ilegal pelo governo espanhol. Segundo relatos, a polícia teria usado balas de borracha, proibidas na Catalunha desde 2014 quando uma mulher perdeu um dos olhos devido ao objeto em uma manifestação em Barcelona em 2012

"Do total, 35 foram levemente feridos, e três, mais gravemente. Nove deles tiveram de ser transportados para um centro médico. Trata-se, basicamente, de contusões, desmaios, ataques de pânico", relataram os serviços de urgência em dois tuites seguidos.

Mulher recebe atendimetno após ser ferida na cabeça
Mulher recebe atendimetno após ser ferida na cabeça (Crédito: Xavier Lesan/Reuters)


Início do referendo

Convocado para as 9h (4h da madrugada em Brasília) deste domingo, o referendo sobre a independência da Catalunha começou de forma tensa em alguns locais de votação. Em um centro desportivo no município de Sant. Julia de Ramis, na província de Girona, onde o presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, votaria ainda pela manhã, homens da Guarda Civil Espanhola retiraram à força, um a um, os separatistas que faziam um cordão humano na porta principal para impedir a ação da polícia.

Depois da retirada das pessoas, que não revidaram, os guardas quebraram as portas de vidro e invadiram o local para recolher urnas e outros materiais de votação. Antes mesmo das 9h, ao menos outras 15 estações de votação foram fechadas, segundo o jornal "El País".

De qualquer forma, em várias outras localidades, como em Barcelona, capital catalã, a votação corre normalmente. O presidente regional conseguiu votar ainda na parte da manhã na cidade de Cornella de Terri e, segundo um porta-voz do governo regional, 73% das mesas estavam funcionando por volta das 11h locais.

Centenas de pessoas passaram a noite de sábado e a madrugada deste domingo acampadas dentro e fora de escolas para garantir que estas pudessem ser usadas na consulta. Mais de 5,3 milhões de catalães foram chamados a participar.

Referendo sobre a independência da Catalunha

 (Crédito: LLUIS GENE/AFP)
(Crédito: LLUIS GENE/AFP)

Nos últimos dias, o governo espanhol enviou para a região mais de 10 mil agentes das forças de segurança, apreendeu milhões de cédulas de voto e 45 mil notificações que convocavam membros das mesas eleitorais. As autoridades dizem que governos locais não podem convocar referendos para tratar de questões de soberania - o que caberia apenas ao governo central. O Tribunal Constitucional considera que a iniciativa é ilegal.

As pesquisas de opinião mostram que os catalães estão divididos sobre a independência: 41,1% são favoráveis e 49,4%, contrários, segundo a última consulta do governo catalão, publicada em julho. Mas a pesquisa informa ainda que mais de 70% da população querem que a questão seja decidida em um referendo legal.

No sábado (30), milhares de pessoas protestaram em várias cidades da Espanha tanto contra como a favor do referendo. (Com AFP).

Mulher oferece flor a oficial da Guarda Civil Espanhola após o bloqueio do centro de votação em Sant Julia de Ramis (Crédito: Juan Medina/Reuters)
Guarda civil retira separatista que fazia cordão humano em frente a local de votação para garantir a realização do referendo deste domingo (Crédito: Francisco Seco/AP Photo)
Guarda civil retira separatista que fazia cordão humano em frente a local de votação para garantir a realização do referendo deste domingo  (Crédito: Francisco Seco/AP Photo)
Guarda civil retira separatista que fazia cordão humano em frente a local de votação para garantir a realização do referendo deste domingo (Crédito: Francisco Seco/AP Photo)
Separatista reage à ação da Guarda Civil Espanhola em frente de local de votação na manhã deste domingo (Crédito: Pau Barrena/AFP Photo)
Separatista reage à ação da Guarda Civil Espanhola em frente de local de votação na manhã deste domingo (Crédito: Pau Barrena/AFP Photo)
Homens da Guarda Civil Espanhola quebram porta de local de votação no município de Sant Julia de Ramis, onde o presidente catalão votaria na manhã deste domingo (Crédito: Lluis Gene/AFP Photo)
Homens da Guarda Civil Espanhola quebram porta de local de votação no município de Sant Julia de Ramis, onde o presidente catalão votaria na manhã deste domingo (Crédito: Lluis Gene/AFP Photo)
Separatistas bloqueiam rua em Sant Julia de Ramis, perto de Girona, diante de bloqueio forçado de centro de votação pela Guarda Civil Catalã  (Crédito: Francisco Seco/AP Photo)
Separatistas bloqueiam rua em Sant Julia de Ramis, perto de Girona, diante de bloqueio forçado de centro de votação pela Guarda Civil Catalã (Crédito: Francisco Seco/AP Photo)
Homem é arrastado por oficiais da Guarda Civil Espanhola no município de Sant Julia de Ramis após fechamento de centro de votação  (Crédito: Albert Gea/Reuters)
Homem é arrastado por oficiais da Guarda Civil Espanhola no município de Sant Julia de Ramis após fechamento de centro de votação (Crédito: Albert Gea/Reuters)
Enquanto em alguns lugares o referendo começou tenso, em outros a votação transcorre normalmente. Na foto, homem se prepara para depositar sua cédula de votação em posto de votação de Barcelona (Crédito: Josep Lago/AFP Photo)
Enquanto em alguns lugares o referendo começou tenso, em outros a votação transcorre normalmente. Na foto, homem se prepara para depositar sua cédula de votação em posto de votação de Barcelona (Crédito: Josep Lago/AFP Photo)
Depois do fechamento do centro onde votaria em Sant Julia de Ramis, presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, vota na cidade de Cornella de Terri, na província de Girona, na manhã deste domingo (Crédito: Governo Catalão/via Reuters)
Depois do fechamento do centro onde votaria em Sant Julia de Ramis, presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, vota na cidade de Cornella de Terri, na província de Girona, na manhã deste domingo (Crédito: Governo Catalão/via Reuters)
 Policiais espanhóis imobilizam duas pessoas do lado de fora de um local de votação em Barcelona, no dia de um referendo que vota a independência da Catalunha  (Crédito: Pau Barrena/AFP)
Policiais espanhóis imobilizam duas pessoas do lado de fora de um local de votação em Barcelona, no dia de um referendo que vota a independência da Catalunha (Crédito: Pau Barrena/AFP)
Manifestantes pró-independência da Catalunha exibem a bandeira estrelada, símbolo do separatismo catalão, durante ato em Barcelona pelo referendo de domingo (Crédito: Susana Vera/Reuters)
Manifestantes pró-independência da Catalunha exibem a bandeira estrelada, símbolo do separatismo catalão, durante ato em Barcelona pelo referendo de domingo (Crédito: Susana Vera/Reuters)



Fonte: Uol
logomarca do portal meionorte..com