mais

Coreia do Norte enfrenta grave crise econômica, diz Kim Jong-un

O líder norte-coreano havia dito anteriormente que seu país enfrenta a "pior situação de todos".

Kim Jong Un voltou a alertar quanto a graves dificuldades econômicas na Coreia do Norte, comparando-as com a fome dos anos 1990 que matou centenas de milhares.  O líder norte-coreano havia dito anteriormente que seu país enfrenta a "pior situação de todos" devido a vários fatores, incluindo a pandemia de coronavírus, sanções lideradas pelos EUA e fortes inundações no verão passado.

Os grupos de monitoramento da Coreia do Norte não detectaram nenhum sinal de fome em massa ou desastre humanitário. Mas os comentários de Kim ainda sugerem a seriedade com que ele encara as dificuldades atuais - que, segundo observadores estrangeiros, são o maior teste para seu governo de nove anos.

"Há muitos obstáculos e dificuldades à nossa frente, e assim nossa luta para cumprir as decisões do Oitavo Congresso do Partido não seria um mar de rosas", disse Kim a membros do partido no poder nessa quinta-feira (08), de acordo com o Korean Central News Agência. 

Kim Jong-un durante uma conferência - Foto: EPA / Ansa - BrasilKim Jong-un durante uma conferência - Foto: EPA / Ansa - Brasil

“Decidi pedir às organizações do WPK (Partido dos Trabalhadores da Coréia) em todos os níveis, incluindo seu Comitê Central e os secretários de célula de todo o partido, para travar outra 'marcha árdua' mais difícil para aliviar nosso povo da dificuldade, mesmo um pouco ”, disse Kim.

O termo “marcha árdua” é um eufemismo que os norte-coreanos usam para descrever as lutas durante a fome dos anos 1990, que foi precipitada pela perda da ajuda soviética, décadas de má gestão e desastres naturais. O número exato de mortos não está claro, variando de centenas de milhares a 2 milhões a 3 milhões, e a Coreia do Norte dependeu da ajuda internacional por anos para alimentar seu povo.

O discurso de Kim ocorreu na cerimônia de encerramento de uma reunião do partido com milhares de membros de base, chamados de secretários de célula. Durante seu discurso de abertura na terça-feira, Kim disse que melhorar a subsistência pública em face da “pior situação de todos os tempos” dependeria das células do partido. 

Durante o congresso do partido em janeiro, Kim ordenou às autoridades que construíssem uma economia autossustentável mais forte, reduzissem a dependência das importações e produzissem mais bens de consumo. Mas os analistas estão céticos sobre a pressão de Kim, dizendo que os problemas do Norte são o resultado de uma gestão deficiente, isolamento auto-imposto e sanções por seu programa nuclear.

Dados chineses mostram que o comércio da Coreia do Norte com a China, seu maior parceiro comercial e benfeitor da ajuda, encolheu cerca de 80% no ano passado após o fechamento da fronteira da Coreia do Norte como parte de medidas pandêmicas rigorosas. 

Especialistas dizem que a Coréia do Norte não tem outra opção porque um grande surto de coronavírus pode ter consequências terríveis em seu sistema de saúde falido. 

Cha Deok-cheol, porta-voz adjunto do Ministério de Unificação da Coréia do Sul, disse a repórteres na sexta-feira que há vários sinais de que a Coréia do Norte está tomando medidas para facilitar o controle em sua fronteira com a China, incluindo os próprios relatórios do Norte de que estabeleceu novas instalações antivírus em fronteira e aprovou novas leis sobre a desinfecção de produtos importados.

Alguns especialistas dizem que as dificuldades contínuas da Coreia do Norte não levarão à fome porque a China não permitirá que isso aconteça. Eles dizem que a China está preocupada com a inundação de refugiados norte-coreanos na fronteira ou com o estabelecimento de uma Coréia unificada pró-EUA em sua porta. 

Quando Kim trocou mensagens no mês passado com o presidente chinês Xi Jinping, a mídia estatal da Coreia do Norte disse que Xi expressou o compromisso de "proporcionar uma vida melhor aos povos dos dois países". Alguns analistas viram nisso uma indicação de que a China em breve forneceria à Coreia do Norte alimentos, fertilizantes e outros suprimentos extremamente necessários, que foram significativamente reduzidos em meio ao fechamento da fronteira pandêmica.

Com informações do Yahoo! e da agência Associated Press.

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail