Incidente com macaco causou confronto com 16 mortos na Líbia

Animal teria puxado véu islâmico de garota; tribo rival reagiu

Um incidente envolvendo um macaco foi a causa inicial de um confronto tribal de quatro dias que deixou ao menos 16 pessoas mortas e 50 ficaram feridas na Líbia, informou neste domingo (20) um funcionário da área de saúde local. A disputa entre duas facções rivais ocorreu na cidade de Sabha, no sul do país.

De acordo com moradores e relatos locais, o surto de violência começou de modo inusitado, depois que um macaco pertencente a um comerciante da tribo Gaddadfa atacou um grupo de garotas estudantes que passavam pelo local.

O macaco teria puxado o véu islâmico de uma das garotas, fazendo com que integrantes da tribo Awlad Suleiman matassem, em retaliação, três homens da tribo Gaddadfa, além do macaco, de acordo com um morador local que falou com a Reuters.

Líbia vive um caos desde 2011, quando a comunidade internacional apoiou o levante rebelde em Benghazi e contribuiu militarmente para a queda de Kadhafi (Crédito: Reuters)
Líbia vive um caos desde 2011, quando a comunidade internacional apoiou o levante rebelde em Benghazi e contribuiu militarmente para a queda de Kadhafi (Crédito: Reuters)

Autoridades da cidade não foram encontradas para confirmar as informações.

"Houve um aumento na violência no segundo e terceiro dias, com uso de tanques, morteiros e outras armas pesadas", disse o morador à Reuters pelo telefone, falando na condição de anonimato por temer por sua própria integridade física. 

"Ainda há confrontos esporádicos e a vida está praticamente parada nas áreas onde houve conflitos."

Como em outras partes da Líbia, a cidade de Sabha tem sido constantemente atormentada por conflitos desde o levante que derrubou Muammar Gaddafi há cinco anos e dividiu o país entre duas facções em eterna disputa. 

Na região de Sabha, uma espécie de ponto de entrada de imigrantes e de armas contrabandeadas no sul da Líbia, geralmente negligenciada pelo governo central, os abusos de grupos milicianos e a deterioração nas condições de vida têm sido especialmente alarmantes. 

Gaddadfa e Awlad Suleiman representam as maiores e mais poderosas facções armadas na região.

Durante estes conflitos mais recentes, que aconteceram no centro da cidade, o empenho de alguns líderes tribais para reduzir os conflitos e coordenar um cessar-fogo para recuperar os corpos dos mortos acabou sendo em vão, disseram moradores.

Neste domingo, o centro médico de Sabha recebeu 16 pessoas mortas nos conflitos e outros 50 feridos, de acordo com um porta-voz do hospital.

"Existem crianças e mulheres entre os feridos, e há alguns estrangeiros de países sub-saarianos entre os mortos devido ao bombardeio indiscriminado que fizeram", disse o porta-voz. A cidade fica a 660 km ao sul de Trípoli, a capital da Líbia.



Fonte: Com informações da Reuters
logomarca do portal meionorte..com