Uma de cada quatro crianças vive em países em conflito, diz Unicef

Aproximadamente 535 milhões de crianças vivem sem proteção

Aroximadamente 535 milhões de crianças, uma de cada quatro no mundo, vivem em países em conflito, "sem proteção, sem acesso à saúde e educação de qualidade e com problemas de nutrição", segundo denunciou nesta sexta-feira (9) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Este número, considerado "colossal" pelo porta-voz da organização, Cristoph Boulierac, foi publicado em um relatório prévio à celebração do 70° aniversário da criação da entidade.

Os países da África Subsaariana acolhem quase três quartas partes – 393 milhões – das crianças ameaçadas por guerras e crise humanitárias de todos os tipos, seguidos pelos estados do Oriente Médio e o norte da África, nos quais residem 12% do total dos menores afetados.

Crianças refugiadas sírias olham através da janela de um carro enquanto cruzam a fronteira do Líbano com suas famílias em Masnaa, no leste do Líbano (Crédito: AP)
Crianças refugiadas sírias olham através da janela de um carro enquanto cruzam a fronteira do Líbano com suas famílias em Masnaa, no leste do Líbano (Crédito: AP)

A metade das quase 50 milhões de crianças deslocadas foi afastada de suas casas por conflitos, afirma o Unicef, que se referiu com especial preocupação à situação dos menores na Síria, Nigéria, Afeganistão, Iêmen e Sudão do Sul.

Crianças-soldado

O número de crianças que vivem nas 16 áreas sitiadas da Síria, sem acesso a serviços básicos e nem a ajuda humanitária, chega a 500 mil, de acordo com Unicef.

No nordeste da Nigéria um milhão de crianças foram obrigadas a fugir dos ataques do grupo terrorista Boko Haram enquanto no Iêmen já são quase 10 milhões afetadas pelo conflito que arrasa o estado da península arábica.

No Afeganistão e Sudão do Sul aproximadamente a metade das crianças não recebem educação primária.

Por outro lado, a representante especial do secretário-geral das Nações Unidas para a questão das crianças e dos conflitos armados, Leila Zerrougui, denunciou a presença de crianças-soldado nestes cinco países, além de no Sudão, Mali, Líbia, Congo e República Centro-Africana.

"Não há dúvidas de que grupos armados ao redor do planeta estão recrutando crianças em suas fileiras de forma forçosa", afirmou.

A representante nomeou os grupos jihadistas Estado Islâmico (EI), a frente da Conquista do Levante (antigo Frente al Nusra) e Boko Haram, como alguns dos "atores não estatais" que realizam esta prática.

O diplomata se referiu especialmente ao trabalho de radicalização que o EI está realizando nos territórios que ocupa, onde "está recrutando crianças como estratégia de futuro, para preparar uma nova geração que continue com a luta se eles forem derrotados", explicou.

Além disso, Zerrougui denunciou que os menores que fogem de zonas de conflitos são frequentemente detidos e capturados por exércitos e milícias já que são percebidos como "ameaças para a segurança" ao invés de "vítimas", sobretudo se forem meninos entre 14 e 20 anos.

Estas detenções são frequentes na Nigéria, país no qual, apenas em 2016, cerca de 25 menores cometeram ataques suicidas em nome do Boko Haram.

Fonte: Com informações do G1
logomarca do portal meionorte..com