Levantamento divulgado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) apontou que 50,3% da malha rodoviária pavimentada no estado do Piauí possuem algum tipo de problema e são consideradas regulares, ruins ou péssimas; 49,7% da malha são consideradas ótimas ou boas.

Foram analisadas em todo o país, 109.103 quilômetros de rodovias federais e estaduais. Esse levantamento constatou que o Estado Geral de 61,8% da malha rodoviária brasileira encontra-se classificada como Regular, Ruim ou Péssimo.

Imagem: ReproduçãoImagem: Reprodução

Em 2021, foram analisados 3.446 km no Piauí, que representa 3,2 do total pesquisado no Brasil.

Com relação à pavimentação, 46,1% da extensão da malha rodoviária do estado avaliada apresentam problemas; 53,9% estão em condição satisfatória; e 0,3% está com o pavimento totalmente destruído.

Sobre a sinalização, 58,6% da extensão da malha rodoviária da região são consideradas regulares, ruins ou péssimas; 41,4%, ótimas ou boas; 4,4% da extensão está sem faixa central e 11,8% não têm faixas laterais.

Confira todas as informações da 24ª Pesquisa CNT de Rodovias

– Íntegra da pesquisa.

– Síntese dos resultados: Brasil, regiões e estados.

– Principais dados.

A pesquisa revelou ainda que as pistas simples predominam em 99,2% da malha no Piauí. Falta acostamento em 38,5% dos trechos avaliados e 71,6% dos trechos com curvas perigosas não têm sinalização.

A pesquisa identificou 118 pontos críticos no estado, sendo 100 trechos com buracos maiores que um pneu.

Imagem: ReproduçãoImagem: Reprodução

As condições do pavimento no estado geram um aumento de custo operacional do transporte de 25,9%. Isso reflete na competitividade do Brasil e no preço dos produtos.

O levantamento apontou que para recuperar as rodovias no Piauí, com ações emergenciais, de manutenção e de reconstrução, são necessários R$ 1,1 milhão.