Manifestantes pedem anulação imediata das reformas durante greve

Os manfiestantes seguem reunidos na praça da liberdade

Mais de 38 categorias profissionais, em Teresina, fizeram assembléia e deliberaram greve geral nesta sexta-feira (28) contra as reformas da Previdência e Trabalhistas propostas pelo governo do presidente Michel Temer.

Os manifestantes que seguem  reunidos na praça da Liberdade, centro de Teresina pedem a anulação imediata das reformas.  Logo pela manhã, os manifestantes se concentraram na praça Rio Branco e saíram em caminhada passando pela Prefeitura de Teresina, Palácio do Karnak e a sede do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). A passeata encerrou na praça da Liberdade, em frente ao Instituto Federal do Piauí (IFPI). 

 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)


 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)


Além disso, aderiram ao movimentos docentes da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e do Instituto Federal do Piauí (IFPI), Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm), Sindicato dos Trabalhadores em Saúde e Previdência Social do Piauí,  sindicatos dos Urbanitários (Chesf, Cepisa, Emgerpi/Cohab, Agespisa e Saae-Campo Maior), dos Previdênciários, da Construção Civil,  Comerciários, assim como os trabalhadores rurais, o Movimento Sem-Terra (MST) e o INCRA

 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)


Os funcionários dos Correios iniciaram greve, por tempo indeterminado, na manhã de quinta-feira (27). Os funcionários dos Correios pararam as viaturas de distribuição e ficaram na frente do prédio da empresa no bairro Monte Castelo.

 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)


Manifestantes bloquearam a Ponte Juscelino Kubtischek de Teresina, por volta das 10h da manhã desta sexta-feira (28) em apoio à Greve Geral. O bloqueio durou pouco mais de cinco minutos, pois logo a Polícia Militar do Piauí foi acionada e liberou a pista.


De acordo com populares, membros do movimento paradista bloquearam a via com pneus queimados no sentido Leste-Centro e cavaletes no sentido Centro-Leste. Os pneus permaneceram fazendo muita fumaça, atrapalhando o trânsito e causando mal estar nos transeuntes, mas os veículos voltaram a fluir normalmente.


A entrada principal do Campous Ministro Petrônio Portella (Universidade Federal do Piauí) também foi alvo de protesto tendo sido fechada por  professores, técnicos, terceirizados e estudantes da Universidade Federal do Piauí (Ufpi), o que causou muitos congestionamentos no entorno da instituição.

 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)
 (Crédito: Rosy Duarte)
(Crédito: Rosy Duarte)


Fonte: Portal MN