Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Marido atira em esposa, se arrepende e é preso ao tentar salva-lá

Vítima acabou não resistindo aos ferimentos e morreu no hospital.

Marido atira em esposa, se arrepende e é preso ao tentar salva-lá
1 | divulgação
Compartilhe

Um homem foi preso em Praia Grande, no litoral de São Paulo, ao tentar salvar a própria mulher que havia sido baleada por ele mesmo minutos antes. Segundo informações da polícia divulgadas neste sábado (5), o marceneiro José Dantas da Silva, de 44 anos, atirou contra a esposa, Maria Dalvina Dantas, de 39, durante uma discussão. Após se arrepender do crime, ele levou a vítima ao hospital, onde acabou sendo preso em flagrante. A vítima não resistiu e acabou morrendo.

De acordo com a polícia, o crime ocorreu no bairro Vila Antártica, mas só foi descoberto quando a vítima foi levada ao Hospital Irmã Dulce. O suspeito, que já havia sido denunciado pela própria mulher por agressões anteriores, acabou sendo detido na porta do hospital. Silva afirmou que estava alcoolizado e, por isso, disparou contra o abdômen da vítima. O filho pequeno do casal estava dormindo na mesma casa e não presenciou a discussão.

\"Marceneiro
Marceneiro José Dantas da Silva, de 44 anos, foi preso por matar a mulher em Praia Grande, SP (Crédito: Arquivo pessoal )

A arma foi encontrada pela polícia escondida no guarda-roupa da vítima com quatro munições intactas e uma deflagrada, justamente a que atingiu Maria Dalvina. O armamento também estava com a numeração raspada e não era registrado no nome do suspeito. Na audiência de custódia ocorrida no Fórum da cidade, o marceneiro teve a prisão em flagrante convertida em preventiva e foi recolhido a cadeia pública da cidade.

Ainda de acordo com a polícia, a vítima havia registrado um boletim de ocorrência contra o agressor em 2018. Na ocasião, a equipe da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) recomendou que ela aceitasse medidas protetivas e fizesse exame de corpo de delito para evitar novas agressões. A vítima, na época, não deu andamento ao processo e continuou morando com o agressor, mesmo sofrendo ameaças.

\"
(Crédito: Divulgação)


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar