Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Meteorologista explica possíveis impactos da nuvem de poeira no MA

Segundo Hallam Cerqueira, do núcleo de meteorologia da UEMA, impactos devem ser leves e fenômeno pode provocar mudanças na cor do céu do litoral maranhense.

Compartilhe

A nuvem de poeira "Godzilla" que viajou 10 km do deserto do Saara e chegou em parte da América do Norte e Central na quarta-feira (25), não deve provocar uma tempestade de areia no Maranhão, caso chegue ao litoral do estado.

Segundo Hallam Cerqueira, do núcleo de meteorologia da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), o fenômeno que é comum no planeta, não deve alcançar a superfície atmosférica do estado, mas pode alterar a coloração do céu do litoral maranhense.

"Estão circulando imagens de tempestades, isso ocorre muito em regiões próximas de desertos e em cidades que estão próximas a desertos. Por isso, esse tipo de tempestade não acontece aqui. Então é uma fake news mostrar que esse tipo de tempestade de areia pode acontecer aqui na nossa região por conta do transporte de areia do deserto. O que a gente pode observar aqui é que a coloração do céu, que é o que basicamente pode afetar a nossa condição aqui na região", explicou o meteorologista.

O meteorologista afirmou que não há previsão para a chegada do fenômeno no estado. Hallam Cerqueira explicou, que apesar dos danos causados na qualidade do ar, a areia que vem do Saara também apresenta benefícios para a natureza e serve como fertilizante para a Floresta Amazônica.

"É importante a gente salientar que esse é um fenômeno bastante comum de acontecer e inclusive, a areia que vem do deserto é um bom fertilizante para a floresta Amazônica e há muitos anos acontece. Só que há anos que esse transporte ele vai ficando mais intenso e muito por conta do verão naquela região da Europa e da África, que esse ano o verão está muito intenso", disse Hallam.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar