Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Mulher que levou marido morto a banco para 'prova de vida' é indiciada

Josefa chegou com Laércio em uma cadeira de rodas, acompanhada de um casal de amigos, quando pediu para obter uma nova senha.

Compartilhe

A Polícia Civil de Campinas (SP) indiciou hoje Josefa de Souza Mathias, de 58 anos, por vilipêndio de cadáver (desrespeito ao corpo) e tentativa de estelionato. Ela levou o marido, Laércio Della Colleta, de 92, a uma agência do Banco do Brasil para fazer uma 'prova de vida' para obter uma nova senha para movimentar a conta bancária, só que ele estava morto havia pelo menos 12 horas antes. Em depoimento, ela negou a tentativa de fraude.

O delegado do 1º Distrito Policial da cidade ouviu dois funcionários do banco que presenciaram a confusão que aconteceu no dia 2 de outubro. Josefa chegou com Laércio em uma cadeira de rodas, acompanhada de um casal de amigos, quando pediu para obter uma nova senha para conseguir sacar a aposentadoria do marido. 

Ela havia perdido a combinação anterior, e só poderia obtê-la se tivesse uma procuração ou levasse o homem presencialmente — a "prova de vida". A gerente da agência estranhou a aparência do homem e chamou um bombeiro civil, que percebeu que Laércio estava morto. Samu e Corpo de Bombeiros foram acionados, quando um médico levantou a suspeita de que ele estava morto há mais tempo do que parecia. O chefe de segurança contou que viu Josefa agitada.

Ontem, um laudo do Instituto Médico Legal pedido pela polícia confirmou que Laércio estava morto havia pelo menos 12 horas antes de ser levado ao banco. Não houve violência. O documento atesta "causas naturais" como motivo do óbito.

Josefa de Souza Mathias na saída da delegacia / Crédito: Felipe de Souza/UOL

Depoimentos

Segundo o diretor do Departamento de Policiamento do Interior 2 (Deinter-2), José Henrique Ventura, a vizinha que foi com Josefa até o banco também prestou depoimento hoje. Ela contou que não imaginava que Laércio estivesse morto. "Ela contou que viu que Laércio estava paralisado, e chegou a questionar Josefa porque não havia chamado o Samu. A resposta é que ela precisava ir ao banco para poder movimentar a conta bancária, mas não tinha dito que o homem havia morrido", disse.

A porteira do prédio onde Josefa mora, que fica a três quadras do banco, também foi ouvida. Ela contou que chamou a vizinha após a moradora relatar que Laércio não estava bem. Na saída da delegacia, já no final da tarde, Josefa não quis conversar com a imprensa sobre o caso que repercutiu em todo o país. A advogada de defesa, Andreza Carolina Dias Amador, prefere ainda não divulgar a estratégia de defesa. "Ela nega que tentou aplicar fraude na aposentadoria dele", resumiu.

Josefa e Laércio estavam em uma união estável havia pelo menos 10 anos, e que o objetivo da ida ao banco era sacar a parcela da aposentadoria do mês. O homem fazia isso sozinho até então. Em nota, o Banco do Brasil informou que "cumpriu todos os protocolos previstos no contrato de prestação de serviço". A instituição confirmou que não havia nenhum problema com a aposentadoria de Laércio, apenas a falta das credenciais para acessar a conta e realizar o saque e, por isso, foi necessária a presença dele na agência.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar