Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

\"Não posso pautar minha vida por fantasia de perseguição\" diz Moro

A defesa de Lula alegou parcialidade de Moro

"Não posso pautar minha vida por fantasia de perseguição" diz Moro
DIVULGAÇÃO | Reprodução
Compartilhe

O juiz federal Sergio Moro, ex-responsável pelas decisões em primeira instância da Operação Lava Jato, negou neste terça feira (6) que seu sim ao convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para comandar o ministério da justiça no novo governo tenha relação com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

\"Isso não tem nada a ver com o processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele foi condenado e preso porque ele cometeu um crime, e não por causa das eleições\", disse em entrevista coletiva concedida a jornalistas nesta tarde em Curitiba. 

\"Sei que alguns eventualmente interpretaram a minha ida como uma espécie de recompensa -- algo equivocado, porque a minha decisão [por condenar Lula] foi tomada em 2017, sem perspectiva de que o deputado federal fosse eleito presidente.”


\"
(Crédito: Giuliano Gomes/PR Press)



Moro ainda classificou de \"álibi falso de perseguição política\" as reclamações que têm sido feitas pelo PT e seus aliados de que o juiz seria parcial e teria agido politicamente ao investigar e condenar Lula. Ele argumentou que a condenação do petista em segunda instância, pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4° Região), corroborou sua decisão. 

“Eu não posso pautar a minha vida com base em uma fantasia, em um álibi falso de perseguição política.” disse Sérgio Moro, futuro ministro da justiça. 

O juiz também mencionou ter condenado outros políticos além de petistas e citou nominalmente o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, a quem chamou de “adversário político” do PT. 

\"Resultado

Ao longo da entrevista, Moro voltou a negar várias vezes qualquer parcialidade de sua parte nos processos contra Lula e, além de repetir a expressão “álibi falso”, chamou de “fantasia” as criticas de perseguição ao ex-presidente. 

A defesa de Lula alegou parcialidade de Moro e usou a concordância dele em aceitar um cargo no governo Bolsonaro para impetrar um novo pedido de liberdade ao ex-presidente no STF (Supremo Tribunal Federal). O relator da Lava Jato  na corte, ministro Edson Fachin, encaminhou o habeas corpus para ser decidido pela 2ª turma do Supremo.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar