Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Nissan Frontier é a "Melhor Picape" do Prêmio UOL Carros

A 12ª geração do modelo foi eleita a principal novidade do ano

 Nissan Frontier é a "Melhor Picape" do Prêmio UOL Carros
1 | Reprodução
Compartilhe

Lançada em março de 2017, a picape média Nissan Frontier é a vencedora da categoria "Melhor Picape" do Prêmio UOL Carros 2017. A 12ª geração do modelo foi eleita a principal novidade do ano entre veículos utilitários com caçamba.

Lançada me março, a nova geração da Frontier mantém os predicados off-road da geração anterior (que começou a ser fabricada no Brasil em 2008). De fato, ela não pulou totalmente na onda do luxo, nem dos aparatos eletrônicos (Ford Ranger e Chevrolet S10 até freiam sozinhas e controlam o volante, se o motorista se distrair) -- isso é interessante para quem acha que firulas tecnológicas e conforto em excesso tiram a essência do que é ser uma picape média.

A faixa de preços é a menor de uma configuração "completona" dentro do segmento, mas o modelo demorou mais do que o esperado para estrear, chegando após a renovação de praticamente todas as rivais.

 class=


Segundo Alan Ponce, gerente de produto da Nissan, os maiores trabalhos feitos em cima da nova geração foram em renovar a robustez e o nível de tecnologia a bordo sem abrir mão da "essência e da alma picapeira". O chassis feito em parceria com Renault e Mercedes-Benz é quatro vezes mais forte, há nova calibração do motor biturbo e novo conjunto de suspensão. São 186 kg a menos em relação à geração anterior.

Esse motor 2.3 biturbodiesel de 16V agora rende 190 cv e 45,9 kgfm de torque (entre 1.500 e 2.500 rpm). O antigo, para efeito de comparação, tinha os mesmos 190 cv, mas torque de 45,8 kgfm a 2.000 giros. O câmbio de cinco marchas deu lugar à caixa automática de sete velocidades, fora a opção de marcha reduzida.

Visualmente, as alterações são importantes: nova frente, mais alta e que usa de LEDs nos faróis (alinhado e até parecido com o que existe na categoria), traseira reajustada com lanternas maiores e que se aprofundam pela carroceria  (mas que parece demais com as das outras picapes). No interior, há clara noção de mais espaço e até de mais conforto, principalmente para quem viaja atrás.

Infelizmente, o acabamento interno é todo duro -- mas isso também não é exceção no segmento.

Por ser a configuração mais completa, a Frontier LE não tem opcionais -- o único extra é a pintura metálica, que custa R$ 1.550. Traz de série faróis automáticos; revestimento interno de couro (bancos, volante, manopla câmbio e e alavanca do freio de estacionamento); bancos dianteiros aquecidos (em dois níveis, mas sem refrigeração); ar-condicionado digital automático com duas zonas de resfriamento (e saídas para o banco traseiro); banco do motorista com regulagem elétrica; chave inteligente presencial e partida por botão; controlador automático de velocidade; display colorido de cinco polegadas no quadro de instrumentos; vidros elétricos nas quatro portas (um-toque apenas para a subida e só o do motorista); volante multifuncional com botões iluminados e coluna de direção com regulagem de altura; câmera de ré com sensor de estacionamento traseiro e o "Nissan Mullti-App" (rádio AM/FM, CD Player, tela colorida tátil de 6,2 polegadas, entradas auxiliar, USB, conexão que empresta internet do celular opção de download de aplicativos).

 class=


Na segurança, a tem faróis de neblina e luzes de LED dianteiras (DRL e no canhão principal); airbag duplo frontal e freios ABS (obrigatórios) com EBD; bloqueio mecânico do diferencial traseiro com limitador; controles de tração e estabilidade; controle de descida (hill climb) e auxiliador de partidas em rampas. Faltam, porém, itens básicos como cintos de três pontos e apoios de cabeça para todos os ocupantes que podem viajar atrás.

Andando, há sempre uma boa dose de força, sem exagero na saída (graças ao trabalho eficiente do câmbio de sete marchas) e sem os pulos secos da geração anterior. Um avanço portanto. Se esse "meio do caminho" entre as forças e  o preço um pouco menos salgado te agradam, vale a pena fazer um test-drive.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar