No Twitter, filho de Bolsonaro tira sarro de ovada no deputado

Jair disse que não quer “criar uma casta especial” para as minorias

O deputado federal Jair Bolsonaro, de saída do PSC rumo ao PEN (que mudará o nome da sigla para Patriotas), esteve em Ribeirão Preto nesta quinta-feira, 17, e levou uma ovada de uma manifestante enquanto estava em uma cafeteria, no Centro da cidade. O parlamentar considerou o ato da manifestante "normal". 

“Eu sou intolerante? Ela me deu uma ovada no peito”, questionou Bolsonaro, após ser atingido. A princípio, ele não queria fazer nada, nem prestar queixa, só mudou de ideia após ser convencido pelo filho, Eduardo, que também é deputado federal. Após o incidente, outro filho de Bolsonaro, Flávio, até brincou no Twitter com a situação.


A garota foi levada para a delegacia da Rua Duque de Caxias pela Polícia Militar, que acompanhava o deputado com grande número de oficiais.

No local, após o incidente, o parlamentar respondeu a algumas perguntas e afirmou que a eleição não é obsessão, na qual o apontam como pré-candidato à presidência, embora reconheça que seja uma “ambição”.

“Não é uma obsessão a eleição, se tiver que vender a alma para o diabo, eu não vou. Se for pra chegar lá devendo favores, estou fora. Se acha que vou mudar meu discurso para ganhar a eleição, estou fora, isso não é obsessão, é ambição”, disse Bolsonaro.

Para isso, ele aposta no crescimento do PEN, partido que conta com apenas três deputados federais, e na derrocada dos grandes partidos, já que ele acredita que os maiores não serão tão grandes após as eleições. Ele, ainda justificou a saída do PSC em razão das alianças da legenda com o PC do B, no Maranhão, e ainda acusou o atual partido de “não querer mudar nada”.


Na nova sigla, ele afirma que encontrou um partido de direita, que defende os valores familiares, e quanto às questões da pluralidade da população brasileira, acredita que lida com todos. “Nós comemos o mesmo feijão, o mesmo arroz. Se um vagabundo me der um tiro na cara, nós vamos morrer da mesma maneira”, afirmou, dizendo que as políticas públicas de inclusão de minorias sociais não são justas.

“O que o gay precisa? Como ele vai ser visto como outra pessoa, com tanto gay por aí que é respeitado? Agora, aquele que não se faz por respeitar, a sociedade vai tratar ele diferente também. Ou você acha que todo heterossexual é feliz no Brasil? Não tem nada a ver. Direitos iguais para todo mundo”, respondeu Bolsonaro, que ainda disse que não quer “criar uma casta especial para as minorias”.



Fonte: Com informações do Portal Revide